Jornal de Angola sai em defesa de Rui Machete e diz que PGR actuou “fora da lei”

O Jornal de Angola saiu em defesa de Rui Machete e acusou a procuradora de se ter posto “fora da lei”

Rui Machete
Foto
A polémica surgiu depois de Machete ter pedido desculpa por investigações do Ministério Público a angolanos Enric Vives-Rubio

O Jornal de Angola saiu em defesa da actuação do ministro português dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, e de caminho acusou a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, de se ter posto “fora da lei”.

Num artigo de opinião assinado por Álvaro Domingos, que vários sites angolanos identificam como sendo o pseudónimo de um jornalista que presta assessoria ao director do jornal do regime, o Jornal de Angola sustenta que Machete mais não fez do que “pedir diplomaticamente desculpa (e não desculpas diplomáticas) pelas patifarias cometidas pelo Ministério Público e órgãos de comunicação social contra o vice-presidente angolano, Manuel Vicente, e o procurador-geral da República, João Maria de Sousa” – que, segundo noticiário publicado em Portugal, foram investigados no âmbito de um inquérito-crime aberto pela Procuradoria-Geral da República por fraude fiscal e branqueamento de capitais.

“Ao alimentar manchetes e notícias falsas que têm no centro figuras públicas angolanas, o Ministério Público e a procuradora-geral da República, Joana Vidal, puseram-se fora da lei.”
“E deram esse salto arriscado, para atentarem contra a honra e o bom nome de dois cidadãos que desempenham altas funções no Estado angolano”, opina Álvaro Domingos. Perante tal situação, prossegue o artigo, “é natural que o ministro Rui Machete tivesse vontade de deitar água na fervura”. O problema é que “a procuradora-geral, Joana Vidal, toda abespinhada, atirou-se ao ministro”, enquanto “os sindicatos dos juízes e do Ministério Público o crucificaram”. Álvaro Domingos lamenta que Rui Machete tenha sido “trucidado” pelos “mais assanhados membros das elites corruptas e caloteiras portuguesas”, que terão aproveitado a ocasião para “lançar a habitual chuva de calúnias contra os dirigentes angolanos, eleitos democraticamente”.

O artigo termina exigindo a Joana Marques Vidal que revele a angolanos e portugueses quem foram os membros do Ministério Público que violaram o segredo de justiça.

A polémica em torno do ministro dos Negócios Estrangeiros surgiu depois de o governante ter, em entrevista a uma rádio angolana, pedido desculpa pelas investigações que o Ministério Público português tem em curso sobre várias figuras daquele país. Diversos dirigentes políticos e analistas pediram já a demissão de Machete, mas o primeiro-ministro, Passos Coelh,o desvalorizou aquilo que considerou poder ter sido "uma expressão menos feliz" do ministro dos Negócios Estrangeiros.