Crónica de jogo

Triunfo pouco convincente no Estoril deu para Jesus ganhar tempo

“Encarnados” regressaram às vitórias, mas sentiram muitas dificuldades no Estoril. Lima e Cardozo fizeram os golos do Benfica, que subiu ao terceiro lugar na I Liga.

Lima e Gaitán, os responsáveis pelo primeiro golo do Benfica
Foto
Lima e Gaitán, os responsáveis pelo primeiro golo do Benfica Rafael Marchante/Reuters

O Benfica foi ao Estoril vencer (1-2) e subiu ao terceiro lugar da classificação da I Liga, com menos três pontos que o Sporting e menos cinco que o FC Porto.

Mas a formação de Jorge Jesus não teve tarefa fácil, porque os estorilistas — que há nove meses não perdiam em casa — venderam muito cara a derrota.

E, mesmo tendo jogado em inferioridade numérica, ameaçaram até ao fim tirar pontos aos “encarnados”.

Jorge Jesus chegou à partida contestado, questionado e — mesmo que o técnico não quisesse admiti-lo — pressionado.

Ao mau início de campeonato juntou-se, durante a semana, uma exibição muito pobre no Parque dos Príncipes, onde o Benfica não mostrou argumentos para evitar uma derrota pesada (3-0) frente ao Paris Saint-Germain, em jogo da Liga dos Campeões.

O técnico revolucionou o ataque, relegando Djuricic e Cardozo para o banco de suplentes e dando a titularidade a Rodrigo e Lima. Markovic também jogou de início — mas o sérvio lesionou-se aos 27’ e teve de sair.

Os “encarnados” entraram bem na partida, mas isso não durou mais do que 15 minutos. Foi o tempo suficiente para chegar à vantagem, porque depois a equipa de Jorge Jesus eclipsou-se. A qualidade caiu a pique, o Estoril cresceu e foi empurrando o Benfica para o seu meio-campo.

À segunda ameaça, o Benfica chegou à vantagem. Rodrigo tinha enviado a bola centímetros acima da trave, após livre de Gaitán, logo aos dois minutos.

Na oportunidade seguinte, os “encarnados” fizeram golo: o passe voltou a ser do argentino, mas desta vez Lima não falhou.

E isto foi quase tudo o que se viu do Benfica no primeiro tempo. Só no período de compensação os “encarnados” voltaram a criar perigo: a bola tocou no braço de Rúben Fernandes e o árbitro assinalou penálti. Mas Vagner adivinhou a direcção do remate de Lima.

As coisas complicaram-se para o Estoril no início da segunda parte, com a expulsão de Filipe Gonçalves.

O Benfica parecia ter o controlo dos acontecimentos e já com Cardozo em campo chegou ao 0-2: o paraguaio respondeu ao cruzamento de Maxi Pereira com um grande remate de primeira, com o pé direito.

Mas o Estoril não baixou os braços e, dois minutos depois, Balboa, na sequência de um canto, reduziu a desvantagem.

A equipa de Marco Silva galvanizou-se e, já no tempo de compensação, Evandro ficou a centímetros do 2-2.

O triunfo no Estoril “comprou” algum tempo a Jorge Jesus, que tem duas semanas para trabalhar: devido aos compromissos da selecção portuguesa, o próximo compromisso dos “encarnados” é daqui a 15 dias, em Cinfães, para a terceira eliminatória da Taça de Portugal.