Tribunal decide a favor da BP em acordo sobre indemnizações da maré negra

Decisão permite que seja revisto acordo que define pagamento de indemnizações.

Foto
O derrame começou a 20 de Abril de 2010 Foto: U.S. Coast Guard/Reuters

O New York Times chama-lhe uma vitória parcial, uma vez que obriga o juiz federal Carl Barbier, encarregado do caso, a rever a interpretação do acordo com os prejudicados pelo derramamento de crude de 2010. A companhia britânica sustenta que o juiz Barbier e o administrador designado pelo tribunal para avaliar e pagar as indeminizações, Patrick Juneau, fizeram uma interpretação errada do acordo. Interpretação que, segundo a BP, abre espaço a que pessoas e negócios que não tenham “sofrido prejuízo relacionável” com o derrame possam receber indemnizações.

Já os queixosos alegam que foi a BP que subestimou o acordo não equacionando o número de pessoas que se podiam candidatar aos pagamentos.

A BP vê com bons olhos esta decisão, escreve o Financial Times, uma vez que aumenta as possibilidades de descida do custo estimado da verba a pagar pela petrolífera, inicialmente estimada em 7,8 mil milhões de dólares. Depois de esta previsão ter aumentado para 9,6 mil milhões, estimava-se que a companhia britânica poderia vir a pagar mais de 15 mil milhões.

A plataforma Deepwater Horizon explodiu a 20 de Abril de 2010 no Golfo do México e no acidente morreram 11 pessoas. Uma fuga num poço de petróleo causou o pior derrame acidental da história até que foi tapada, quase três meses depois.

 

 

 

 

.