CDU recupera Évora, Beja e Loures

Coligação formada pelo PCP e Verdes ganha duas capitais de distrito e volta a Loures.

Foto
Jerónimo de Sousa sublinhou hoje as vitórias em duas importantes autarquias alentejanas Nuno Ferreira Santos

Jerónimo de Sousa teve um discurso vitorioso na noite deste domingo, ao contrário do que sucedeu há quatro anos, ao anunciar um “significativo reforço da percentagem eleitoral” da CDU e a “confirmação da generalidade das posições de maioria e a conquista de novas maiorias”, onde se incluem duas capitais de distrito recuperadas: Évora e Beja

A estas juntam-se Loures, Grândola, Alcácer do Sal, Alandroal, Cuba, Vila Viçosa, Monforte e Silves.

Sobre Loures, Jerónimo de Sousa mostrou, no seu discurso,  manter a esperança numa vitória de Bernardino Soares, afirmando que havia ainda a “possibilidade” de vitória em mais municípios, “nomeadamente Loures”.

Esta concretizou-se, tendo o líder parlamentar do PCP afirmado, citado pela Lusa, que a vitória "aconteceu porque a população se revoltou contra a estagnação, a promiscuidade e a má gestão". Às 00:15, com apenas duas freguesias por apurar, a CDU tinha 34,9% dos votos em Loures (teve 22,2 % em 2009), contra os 30,43% do PS (metade dos 62,06% conseguidos em 2009).  
 
Em Beja, Jorge Pulido Valente, o candidato do PS que interrompeu em 2009 um ciclo vermelho que vinha desde o 25 de Abril, não aguentou o embate com João Rocha, ex-autarca comunista de Serpa. Já em Évora, que o PS tinha ganho em 2001, a CDU garantiu a vitória com a escolha de Carlos Pinto Sá, ex-autarca de Montemor-o-Novo.

“A votação obtida pela CDU constitui um factor de confiança e esperança de que é possível um outro caminho e um outro rumo, um estímulo à luta” e ao que esta poderá significar na “concretização de uma política alternativa”, defendeu Jerónimo de Sousa.

Para este responsável, há uma leitura política a fazer das autárquicas, e tem um âmbito nacional: os resultados do PSD e do CDS “traduzem o isolamento dos partidos do Governo e reforça a urgência da sua demissão”, sublinhou.

Perto da uma da manhã, os dados oficiais davam 10,7% dos votos à CDU (9,7% em 2009 e 10,9% em 2005), quando ainda faltavam 6% das freguesias para apurar, detendo a liderança em 26 câmaras (o total em 2009 foi de 28).