Rui Moreira diz que a sua candidatura é um "aviso" aos partidos

“Comigo a câmara não se vai afogar em dívidas”, disse o candidato à câmara do Porto.

Rui Moreira foi muito aplaudido
Foto
Rui Moreira foi muito aplaudido Fernando Veludo / Nfactos

O candidato independente à Câmara do Porto, Rui Moreira, defendeu esta sexta-feira um “novo rumo” para os partidos políticos e disse que a sua candidatura é um “aviso” aos partidos, que “são o sal da democracia”.

“Os partidos podem aprender com esta candidatura”, declarou o candidato independente aos jornalistas à entrada para um jantar com 500 pessoas, numa tenda montada na Praça D. João I, na Baixa do Porto.

Evidenciando embora a importância da democracia representativa, o candidato à Câmara do Porto entende que os “partidos precisam de responder melhor àquilo que são os anseios dos cidadãos, precisam de olhar mais para aquilo que são as necessidades das pessoas que vivem nas cidades, nos campos e nas aldeias. Espero que de alguma maneira haja um aviso aos partidos”.

Visivelmente satisfeito por ter conseguido promover o aparecimento de uma candidatura independente, o candidato disse ainda que os “partidos precisam de continuar a ser aquilo que foram a seguir ao 25 de Abril, que todos nós nos recordamos da importância que tiveram e espero que voltem a ter”.

Rui Moreira recusou-se a fazer um balanço da campanha eleitoral – “esse balanço tem de ser feito pelas pessoas” -, mas disse estar convencido que o trabalho que realizou ao longo de meses será compensado no domingo.

“A minha candidatura desde o princípio que disse ao que vinha, fez sempre o mesmo caminho, não se perdeu em promessas e acho que esse reconhecimento vai surgir no domingo”.

Sobre o facto de a sua candidatura ter começado devagar, devagarinho, Moreira referiu que isso fazia parte da estratégia definida pela candidatura que se foi consolidando à medida que as pessoas foram aderindo ao seu projecto. “Eu sou marinheiro, portanto eu sei como é que funcionam as marés e nós tínhamos que ter a maré alta agora, não era ter a maré alta em Junho”, disse, acrescentando: “As eleições não se ganham a três meses das urnas ganham-se no dia das eleições”.

E porque é marinheiro, Rui Moreira deixou uma promessa: “Comigo a câmara não se vai afogar em dívidas”. O destinatário era óbvio.