Argentina derrota Portugal com “golo de ouro”

Mundial de hóquei em patins.

Os sul-americanos garantiram a presença na final do Mundial de hóquei em patins após vencerem, no prolongamento, por 1-0

Portugal voltou a ser eliminado nas meias-finais do Mundial de hóquei patins pela Argentina. Num encontro muito equilibrado, disputado no Multiusos de Luanda, em Angola, portugueses e argentinos terminaram os 40 minutos com um pouco usual nulo, mas na primeira parte do prolongamento os sul-americanos marcaram de livre directo e garantiram o apuramento para o jogo decisivo onde vão defrontar a Espanha.

Na reedição da meia-final de há dois anos, no Mundial 2011 disputado em San Juan, Portugal pretendia redimir-se da derrota nessa partida, jogada em solo argentino. Num encontro polémico, onde os portugueses queixaram-se da arbitragem, os sul-americanos venceram, por 4-3, e afastaram a selecção nacional da final. Desta vez, em Luanda, a história repetiu-se: o jogo voltou a ser intenso, equilibrado, polémico e a Argentina foi mais feliz.

As duas equipas entraram no ringue mostrando muito respeito mútuo e os primeiros minutos foram disputados a um ritmo lento. No entanto, após cinco minutos iniciais de estudo, começaram a surgir oportunidades para ambos os lados, mas a primeira parte terminou sem golos. Nos últimos 20 minutos Portugal esteve melhor e o jogo disputou-se quase sempre perto da baliza de Valentin Grimalt, mas seria a Argentina a estar perto do golo a nove minutos do fim, quando Emanuel García desperdiçou um penálti.

A selecção nacional, no entanto, estava por cima e a três minutos João Rodrigues colocou a bola no fundo da baliza, mas os árbitros, numa decisão muito contestada pelos portugueses, anularam o golo.

Com 0-0 no marcador no final dos 40 minutos, o jogo foi para prolongamento onde a Argentina teve a sorte do jogo: após Portugal cometer a 10.ª falta, Carlos Nicolina marcou de livre direito e apontou o “golo de ouro”.

A outra meia-final foi bem diferente e não teve grande história. Frente ao Chile, a surpresa da prova, a Espanha dominou do princípio ao fim e goleou, por 7-0, confirmando o favoritismo.