Portas fez "contacto prévio" com equipa de Woody Allen em Nova Iorque

Projecto para ter o realizador norte-americano a filmar em Lisboa existe desde 2012 e contacto do então ministro dos Negócios Estrangeiros ocorreu durante visita à ONU

Foto
Christian Hartmann/reuters

Lisboa está a cortejar Woody Allen desde 2012 e foi há cerca de um ano que houve contactos ao mais alto nível: o então ministro dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas, aproveitando uma estadia em Nova Iorque no âmbito de uma visita oficial às Nações Unidas, encontrou-se com a equipa de produção do realizador para “abrir uma primeira porta” na potencial relação da capital com o realizador norte-americano.

O gabinete do agora vice-primeiro-ministro confirmou esta terça-feira ao PÚBLICO que, tal como o jornal i escreve na sua edição de hoje, Paulo Portas se encontrou com membros da equipa de produção de Allen para "um contacto prévio" para “ter ideia das condições” em que projectos anteriores do realizador em cidades europeias eram realizados. A mesma fonte diz que o encontro decorreu no âmbito de uma visita oficial de Portas à ONU – durante o mandato português no Conselho de Segurança das Nações Unidas, que findou a 31 de Dezembro de 2012.

Os oito filmes europeus de Woody Allen realizados nos últimos anos - um deles em produção no sul de França - têm tido cidades como Londres (Scoop, Match Point), Paris (Meia-Noite em Paris), Barcelona (Vicky Cristina Barcelona) ou Roma (Para Roma com Amor) como cenário, sendo vistos como importantes cartões postais para o seu turismo e visibilidade internacional. Mais baratas do que a sua Nova Iorque e dotadas de film commissions que agilizam processos de licenciamento, isentam de taxas e, em articulação com os responsáveis pelo turismo, favorecem outro tipo de condições, como a instalação de equipas ou viagens, tornaram-se panos-de-fundo para os filmes do realizador na última década.

A Lisbon Film Commission, contactada esta terça-feira pelo PÚBLICO, remeteu quaisquer perguntas sobre o tema para a Câmara de Lisboa, que por seu turno não respondeu ainda às questões sobre o assunto dirigidas ao presidente da autarquia, António Costa. O Turismo de Portugal, outro eixo dos contactos portugueses com Allen para trazer uma produção do realizador de Ana e Suas Irmãs, Annie Hall ou Manhattan, disse ao PÚBLICO que "analisará qualquer projecto que lhe seja apresentado para efeitos de financiamento, este ou qualquer outro, e avaliará do seu potencial de projeção do destino e captação de turistas".

Fonte do Turismo de Portugal precisa ainda que "qualquer participação financeira" da instituição "terá como pressuposto esse potencial de projecção e captação, aferido de acordo com critérios previamente definidos e que devem ser demonstrados pelos promotores. De acordo com instruções do Secretário de Estado do Turismo, o Turismo de Portugal apenas terá intervenção neste processo se, uma vez apresentado um projecto concreto, este reunir esses pressupostos".

O gabinete de Paulo Portas não avançou mais pormenores sobre potenciais resultados ou informações dadas pela equipa de produção nesse encontro em Nova Iorque, estando o tema a cargo da autarquia da capital e do Turismo de Portugal. O realizador já foi confrontado com perguntas sobre a possibilidade de filmar em Lisboa pela TVI, existe um grupo no Facebook que regularmente mostra o melhor da cidade a Allen e o presidente da câmara, António Costa, confirmou há semanas ao semanário Sol que "tem havido contactos, quer por parte do município quer por parte do Estado” nesse sentido. “Acho que um dia serão um sucesso", disse ainda à revista do semanário, lamentando não ter “condições de dizer o que o prefeito Eduardo Paes, do Rio de Janeiro disse: que pagava o que fosse necessário para que Woody Allen filmasse o Rio”.

Notícia actualizada com resposta do Turismo de Portugal