Draghi contra flexibilização das metas do défice em Portugal

Presidente do BCE diz que mercados teriam reacções "brutais" a uma medida desse tipo

Mario Draghi vê "sinais de retoma" em Portugal
Foto
Mario Draghi vê "sinais de retoma" em Portugal REUTERS/Kai Pfaffenbach

Mario Draghi defendeu esta segunda-feira que esta não é a melhor altura para se pensar num novo alargamento das metas do défice público em Portugal, dizendo ser “absolutamente essencial” manter os esforços de consolidação orçamental.

A participar num debate na comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu, o presidente do Banco Central Europeu (BCE) argumentou, citado pela Lusa, que um recuo nos objectivos orçamentais poderia ter da parte dos mercados reacções "brutais". “A história recente mostra que mesmo o menor sinal de que os progressos na consolidação orçamental podem ser postos em causa leva os mercados a reagir de forma brutal. Viu-se com os juros da dívida: os juros ‘saltaram’ ao menor sinal de que algo poderia correr mal, e depois recuaram tão depressa quanto subiram”, afirmou, em resposta a uma questão colocada pela deputada portuguesa Elisa Ferreira.

Draghi defendeu ainda que, mais do que no passado, os países mais frágeis, como Portugal, devem sempre considerar nas suas decisões orçamentais qual será a reacção dos mercados. "A disciplina dos mercados está aí e vai continuar, e temos de ter isso em conta no que fazemos”, disse, para concluir que esta não é "a altura de falar de extensões [de metas], mas simplesmente continuar”.

A troika, da qual faz parte o BCE, encontra-se actualmente em Portugal a realizar as oitava e nona avaliações ao programa português. Um dos temas em debate é o de uma eventual alteração da meta do défice público para 2014, actualmente fixado em 4%.

Além deste aviso contra quaisquer devios no rumo traçado pela troika, o presidente do BCE voltou a afirmar que manter os esforços de consolidação orçamental é "absolutamente essencial", embora salvaguardando que estes devem ser feitos de uma forma “amiga do crescimento”. Draghi considerou ainda que se podem ver actualmente em Portugal “os primeiros sinais de uma retoma”.

Em relação ao panorama geral para a Europa, o presidente da autoridade monetária da zona euro voltou a mostrar a sua preocupação em relação aos fluxos de crédito para as empresas e as famílias, especialmente nos países periféricos. Para responder a este problema, o BCE está pronto, disse Draghi, a lançar novos empréstimos de longo prazo aos bancos da zona euro.