Oposição junta-se para exigir demissão da ministra das Finanças

Maria Luís Albuquerque volta a estar sob fogo político por causa da aprovação de um swap da Estradas de Portugal.

Maria Luís Albuquerque não escolheu Elsa Roncon Santos para a substituir
Foto
Maria Luís Albuquerque e Pedro Mota Soares reagiram aos mais recentes números do INE Enric Vives Rubio

O PS, o PCP e o BE voltaram a acusar a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, de “faltar à verdade” no Parlamento sobre o seu grau de conhecimento dos swaps (contratos de cobertura de risco) e pedem a demissão da governante.

“Maria Luís Albuquerque não falou a verdade ao Parlamento. Uma ministra que está ferida eticamente não tem capacidade para continuar [no Governo]”, afirmou aos jornalistas Carlos Zorrinho, líder da bancada do PS, na Assembleia da República.

Os socialistas já tinham pedido a demissão da ministra alegando “razões políticas"; agora consideram que Maria Luís Albuquerque “tem condições diminutas” para exercer o cargo por razões éticas. Zorrinho aconselha, por isso, a ministra a “pôr a mão na consciência”, sobretudo numa altura em que o Governo português está em negociações com a troika.

Mais directo, o deputado comunista Paulo Sá reafirmou a exigência de demissão da ministra, que considera ter sido desmentida ontem pelo ex-presidente da Estradas de Portugal face ao que declarou em Julho no Parlamento. “[Maria Luís Albuquerque] tem mentido para esconder as suas responsabilidades nas perdas potenciais dos swaps”, afirmou o deputado do PCP.

Para Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda, a ministra deixou de ter “idoneidade e isenção política” para continuar a exercer o cargo. A deputada bloquista apela ao primeiro-ministro para que demita a ministra.

PSD fala em “lengalenga" da oposição
A defesa da ministra coube ao deputado do PSD Adão e Silva, que é coordenador da bancada na comissão de inquérito aos swaps. “Esta é uma lengalenga [da oposição] que já cansa”, disse, lembrando que há um inquérito parlamentar ainda a decorrer.

O deputado adiantou, no entanto, que vai chamar Maria Luís Albuquerque novamente à comissão de inquérito, no encerramento dos trabalhos, apesar de já ter comparecido duas vezes para dar explicações sobre o assunto.

Adão e Silva acusa a oposição de pretender “retorcer” as palavras da ministra e minimizou a responsabilidade de Maria Luís enquanto ex-técnica do IGCP. “O que ficou claro ontem é que Maria Luís Albuquerque conhecia o contrato, mas não era a responsável pela sua validação. Acima dela há responsáveis e há a tutela, o doutor Carlos Costa Pina [secretário de Estado no Governo PS]. Esses, sim, responsáveis, e agora parece que não têm responsabilidade nenhuma”, afirmou o deputado social-democrata, assegurando que, como técnica, a agora ministra tinha uma responsabilidade “diminuta”.

A ministra da polémica
Não é, de facto, a primeira vez que a oposição se junta para exigir a demissão de Maria Luís Albuquerque. Já quando ocupava o cargo de secretária de Estado do Tesouro, até Julho deste ano, foi por diversas vezes alvo de acusações em redor da polémica dos swaps.

A ministra foi directora financeira da Refer entre 2001 e 2007, tendo depois ingressado no IGCP. Em Julho de 2011 foi escolhida para a Secretaria de Estado do Tesouro. Além de ter liderado as avaliações aos swaps subscritos por diferentes empresas públicas, também esteve à frente da negociação com os bancos que originou o cancelamento de 69 contratos em troca do pagamento de 1008 milhões de euros às instituições financeiras envolvidas.

Os swaps contratados pelas empresas públicas alcançaram no início deste ano perdas potenciais superiores a 3300 milhões de euros. Neste momento, e fruto dos acordos já feitos com nove bancos, o risco de prejuízo ronda os 1500 milhões.