EUA e Rússia anunciam relançamento de conferência para acabar com a guerra na Síria

Em Genebra, a diplomacia não está a tratar apenas das armas químicas de Assad.

Lavrov e Kerry: o entendimento público desfaz-se em privado
Foto
Lavrov e Kerry: o entendimento público desfaz-se em privado AFP

Os chefes da diplomacia americana e russa, John Kerry e Serguei Lavrov, respectivamente, disseram ontem em Genebra que vão reunir-se em Nova Iorque no dia 28 de Setembro – à margem da assembleia geral das Nações Unidas – com o objectivo de relançarem a conferência internacional sobre a paz na Síria.

Esta conferência esteve para se realizar em várias datas este ano, mas não houve acordo sobre os participantes e a iniciativa foi abandonada. "O Presidente Obama está muito empenhado numa solução negociada para a Síria", disse Kerry, ladeado por Lavrov e pelo enviado especial da ONU e da Liga Árabe para a questão síria, Lakhdar Brahimi.

Os dois políticos estão em Genebra desde quinta-feira para discutirem um plano russo para retirar as armas químicas na posse do Governo sírio e Brahimi juntou-se à discussão nesta sexta-feira. Disseram estar optimistas sobre as discussões, mas foram cautelosos sobre resultados. A reunião prosseguiu depois destas declarações, e fontes diplomáticas disseram às agências noticiosas que o encontro pode prolongar-se pelo fim-de-semana (pelo menos até sábado, uma vez que está previsto que Kerry chegue a Israel no domingo).

Pelas palavras de Kerry e Lavrov, em cima da mesa do encontro de Genebra está uma agenda maior do que as armas químicas do Presidente Bashar al-Assad. Está em discussão o futuro da Síria e uma iniciativa que leve a paz ao país em guerra há dois anos e meio.

As declarações que fizeram a seguir foi sobre negociações que lancem a paz na Síria. "Concordámos que temos de fazer mais trabalho de casa e voltar a reunir-nos em Nova Iorque para percebermos se será possível marcar uma data para essa conferência. Mas muito dependerá de sermos bem sucedidos nos próximos dias ou horas sobre a questão das armas químicas", disse Kerry.
 
Lavrov lamentou que a iniciativa da conferência – que deverá decorrer também em Genebra – tenha sido abandonada, assim como um documento de 2012 que traçava um plano para a realização de negociações de paz.
 
O entendimento público de Kerry e Lavrov não corresponde, porém, à realidade. Os dois países não se entenderam sobre a realização da conferência sobre a paz em Genebra, com o Governo de Moscovo a defender que o Irão fosse puxado para o grupo de países envolvidos na questão síria e Washington a rejeitar a ideia. Os americanos insistiram que deveriam ser convidados para Genebra 11 países europeus e os árabes que defendem a oposição a Assad.
 
A oposição síria contribuiu também para que a conferência de Genebra não se realizasse: não se entendeu sobre quem deveria participar e recusou liminarmente que estivessem presentes enviados do Governo de Damasco.
 
A oposição – que quer uma intervenção militar ocidental na Síria – rejeitou também o plano russo sobre as armas químicas, dizendo que Assad só o aceitou como manobra de diversão para ganhar tempo. As forças governamentais estão a progredir no terreno e, de acordo com a ONU, controlam as grandes cidades (excepto Alepo) e as principais vias de comunicação.
 
 
 

Sugerir correcção