Um terço dos alimentos produzidos é desperdiçado, com custos de 570 mil milhões

O que é desperdiçado é equivalente ao Produto Interno Bruto da Suíça.

Movimento quer evitar que comida que sobra nos restaurantes vá para o lixo
Foto
Associação do sector alerta que redução de trabalhadores põe em causa qualidade do serviço Rui Gaudêncio

Um terço dos alimentos produzidos em todo o mundo é desperdiçado, com um custo anual de 570 mil milhões de euros para a economia global, revela um relatório apresentado nesta quarta-feira pela agência das Nações Unidas para a alimentação.

A Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO), sediada em Roma, diz que 1,3 mil milhões de toneladas de alimentos são desperdiçados todos os anos.

"Um terço dos alimentos produzidos hoje em dia perde-se ou é desperdiçado... o equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) da Suíça", disse o director-geral da agência, o brasileiro José Graziano da Silva, na conferência de imprensa de apresentação do relatório.

“Não podemos simplesmente permitir que um terço de todos os alimentos que produzimos seja perdido ou desperdiçado devido a práticas inadequadas, quando 870 milhões de pessoas passam fome todos os dias”, acrescentou.

O director do Programa das Nações Unidas para o Ambiente, Achim Steiner, descreveu o problema como um "fenómeno chocante".

"É uma grande chamada de atenção. Podemos até não ter identificado muitos dos impactos indirectos do desperdício alimentar... e os custos que serão suportados pelos nossos filhos e netos", disse.

"Em menos de 37 anos haverá mais dois mil milhões de pessoas na população mundial. Como conseguiremos alimentar-nos no futuro?", questionou.

Steiner afirmou que a eliminação do desperdício alimentar tem um "enorme potencial" na redução da fome e apelou a todos os cidadãos para que tomem medidas individuais para abordar o assunto.

"Cada um de nós tem um papel a cumprir. A começar com o ridículo fenómeno, nos países ricos, de não comprar vegetais imperfeitos", disse, acrescentando que o excesso de zelo na observação dos prazos de validade também contribui para o desperdício de grandes quantidades de alimentos.

Os países ricos desperdiçam na fase do consumo, enquanto os países em desenvolvimento desperdiçam durante a produção, revela a FAO, que aponta o caso particular da Ásia, onde mais de 100 quilos de vegetais per capita são desperdiçados por ano nos países industrializados, incluindo a China, o Japão e a Coreia do Sul.

Segundo a organização, este desperdício provoca grandes perdas económicas, mas também tem graves impactos nos recursos naturais dos quais a humanidade depende para se alimentar, nomeadamente no clima, no consumo de água, no uso do solo e na biodiversidade.

Todos os anos, a produção de alimentos que não são consumidos utiliza um volume de água equivalente ao fluxo anual do rio Volga, na Rússia, e é responsável pela emissão de 3,3 mil milhões de toneladas de gases com efeito de estufa na atmosfera.

Os alimentos produzidos mas não consumidos ocupam 30% da terra cultivada em todo o mundo.

"A redução do desperdício alimentar permite, não só evitar a pressão sobre recursos naturais escassos, mas também reduzir a necessidade de aumentar a produção de alimentos" para responder à procura de uma população mundial em crescimento acentuado", conclui ainda a FAO.