BCP reduz 1200 trabalhadores e 97 balcões até 2017

Foto
José Sarmento Matos

O BCP deverá reduzir em 20% o número de colaboradores e de sucursais até 2017, o que significa menos 1200 funcionários e quase uma centena de balcões face a 2013, segundo a apresentação a investidores enviada ao regulador do mercado.

Segundo o documento enviado nesta quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que detalha o plano de reestruturação acordado com Bruxelas, o banco pretende avançar com uma “redução de custos com o pessoal superior a 30%” até 2017, face à média 2008-2011.

O plano sofreu uma actualização, na sequência do acordo alcançado com Bruxelas, o que implicou um corte adicional de 100 milhões de euros até 2017 face ao plano anterior.

A rede de balcões em Portugal terá uma redução superior a 20% face a 2011 (de 887 em Junho de 2011 para cerca de 700 em 2017).

Percentagem semelhante afectará o número de colaboradores, que são reduzidos de 10.083 em Junho de 2011 para cerca de 7500 em 2017.

Em Junho de 2013, o BCP contava com 797 sucursais domésticas e 8744 colaboradores.

O banco diz ainda que estima alcançar proveitos superiores a 1300 milhões de euros em 2017 na operação a Portugal.

O BCP foi obrigado a submeter a Bruxelas um plano de reestruturação por ter recorrido à ajuda do Estado.

Os planos definem a estratégia de cada instituição para os próximos anos e implicam reduções nos custos com trabalhadores, proibição de aquisições e práticas de risco e limites aos bónus pagos aos administradores.

Este plano prevê ainda a venda até 2017 da totalidade da participação financeira na Millennium Gestão de Activos, bem como a carteira de crédito do BCP Bank & Trust e BCP Banque Privé. Já antes, o BCP assumira a venda da filial da Roménia e da participação que o banco detinha no banco Piraeus, que já surgiam no plano de reestruturação submetido a Bruxelas.