Ettore & Fred

Exercício menor, mas pleno de auto-ironia, em que Ettore Scola homenageia o seu amigo Federico Fellini, ajudando-o a abandonar a sua morte – que aconteceu há 20 anos. Sobretudo não chorem, resmunga Ettore, ao verem Che Strano Chiamarsi Federico .

Fotogaleria
Che strano chiamarsi Federico, de Ettore Scola
Fotogaleria
Che strano chiamarsi Federico, de Ettore Scola

Ettore Scola tem 82 anos, mas não verga perante intenções lacrimosas. “As pessoas ficaram comovidas? Não há razão para chorar alguém que morreu e deixou um rasto”. Quem morreu foi Federico Fellini, há 20 anos, em Outubro de 1993. Che strano chiamarsi Federico (fora de concurso), título que cita um poema de García Lorca, é a homenagem do amigo Ettore.

É o tal filme que Scola, que receberia na sexta-feira o Glory to the Filmmaker’s Award, não vê razão para provocar lágrimas, até porque, disse, isso aborreceria Federico, temperamento disposto à auto-ironia. “Federico não faz chorar. Basta ver os seus filmes.” Reacção alérgica, portanto, a rituais e automatismos de missa.

Conheceram-se em 1947, Ettore mais novo dez anos, na revista satírica Marc’Aurelio. Que alimentava o entertainment nos anos italianos do pós-guerra e foi uma estufa onde germinaram talentos que o cinema italiano utilizaria, como, ainda, Steno ou o duo de argumentistas Age & Scarpelli.

Unia-os, a Ettore e a Federico, a caricatura e o sentido de humor. Mas também a resistência ao desporto e à actividade física. E tiveram em comum, ainda, Marcello Mastroianni. Mas tiveram-no cada um à sua maneira: Federico tratava-o melhor do que se tratava a si próprio, cuidava da dieta alimentar de Marcello, por exemplo; já Ettore acompanhava-o aos restaurantes. Mas a mãe de Marcello queixava-se a Scola que o filho só era belo nos filmes de Fellini. Por isso Federico não o chamou para o casting de Casanova, em 1976 (chamou Gassman, Tognazzi e Sordi, mas a figura de pássaro depenado numa Laguna veneziana feita com lonas a ondular é o corpo de Donald Sutherland). Ettore chamaria Marcello para o seu Casanova, La Nuit de Varennes (1982).

Che strano chiamarsi Federico começou por ser pensado, aqui em Veneza, como o filme-homenagem com imagens de arquivo. Proposta que Scola remeteria para um qualquer jovem montador com paciência e ganas para enfrentar o imenso material que documenta Fellini. A hipótese de fazer um filme sobre a sua relação e admiração por Federico seria incentivada pelos netos, insistindo para que o avô desse o corpo ao manifesto.

O resultado é um híbrido: mistura material de arquivo com a recriação - actores e rodagem no estúdio 5 da Cinecittà onde o realizador de Ginger & Fred inventou o seu mundo - dos tempos em que os dois se encontraram e Fellini, entretanto já argumentista em Roma Cidade Aberta e Paisà, partia para o seu O Sheik Branco. Reconstitui, por exemplo, os passeios de carro que ambos davam por Roma, já na fase madura do seu relacionamento e da sua vida, dando boleia a prostitutas e a pretendentes a príncipes, como se fosse um concessionário ambulante – é o próprio Ettore que aparece a falar com o vulto Federico.

Há qualquer coisa de exercício menor à Fellini, em Che strano chiamarsi Federico. Que até utiliza o estúdio de que o “maestro” fez o seu mundo. Nesse gesto de fazer à Fellini há muito de exercício de auto-ironia de Ettore que, depois das imagens do funeral, imagens da época, com Marcello, Anita Ekberg ou Roberto Benigni a chegarem ao estúdio 5 para a homenagem final, ajuda o amigo, esse grande mentiroso, a abandonar a sua própria morte, perseguido pelos dois soldados que fizeram guarda de honra ao seu caixão.