Vento de Miyazaki

Vertigem nos sonhos do realizador japonês apresentada no 70.º Festival de Veneza

Foto
DR

Se se pode perguntar se um filme de animação na competição dos festivais está a ocupar as vagas de uma quota, pode-se responder que a vibração cinematográfica em Miyazaki é feroz e que mais dificilmente se percebe a inclusão de Parkland, de Peter Landesman: estamos em pleno território normalizador do telefilme, a (re)conhecer as personagens que ficaram na sombra na altura dos assassinatos de John Fitzgerarld Kennedy e do seu assassino Lee Harvey Oswald, desde detectives aos médicos e enfermeiras que receberam os corpos no hospital (Parkland, título do filme). 

É o tipo de objecto que vampiriza uma data e ela vem aí, 22 de Novembro. Foi em 1963. Já para arrumar Miss Violence, do grego Alexandros Avranas, pode-se recordar um dos primeiros filmes do concurso, The Police Officer’s Wife, de Philip Groning: à arte da imersão, numa situação de violência familiar, do filme alemão, segue-se agora a estratégia bastante duvidosa de Avranas, que manipula as suas marionetas para melhor chegar a um efeito de brutalidade e de choque. Que o próprio filme involuntariamente sabota, porque Avranas está sempre a denunciar-se.