Entre a euforia e a pressão

Foto
Maxi Pereira e Capel são dois dos jogadores que se mantêm no plantel de ambas as equipas e que podem jogar hoje RAFAEL MARCHANTE/REUTERS

Leonardo Jardim será o oitavo treinador do Sporting a defrontar o Benfica de Jorge Jesus. O técnico da Luz venceu oito das dez partidas disputadas e nunca perdeu com o seu adversário madeirense.

A instabilidade em Alvalade pautou os últimos derbies entre Sporting e Benfica, mas, pela primeira vez nos últimos anos, será Jorge Jesus a concentrar a pressão no clássico lisboeta. Frente a um adversário que vive dias de euforia face às goleadas obtidas nas duas primeiras rondas do campeonato, Jesus está obrigado a, pelo menos, não perder para manter controlados os níveis de contestação dos seus adeptos. No universo sportinguista, o principal problema será controlar as expectativas que se acumulam em redor de uma equipa jovem, com talento e que tem surpreendido positivamente com resultados esmagadores, mas ainda em fase de construção.

Há um indicador que espelha na perfeição as realidades do Sporting e do Benfica no passado recente: Leonardo Jardim será o oitavo técnico "leonino" que Jorge Jesus irá defrontar durante o seu consulado na Luz. Carlos Carvalhal, Paulo Sérgio, José Couceiro, Domingos Paciência, Sá Pinto, Franky Vercauteren e Jesualdo Ferreira passaram pelo banco "leonino", nos últimos quatro anos e defrontaram o actual técnico dos benfiquistas. O resultado é uma "goleada" de Jesus, que venceu oito dos dez derbies disputados para todas as competições nacionais. A única derrota ocorreu contra Sá Pinto, na temporada 2011-12 (1-0, com golo de Ricky van Wolfswinkel, na cobrança de um penálti), tendo-se registado ainda um empate a zero na época 2009-10 (Carlos Carvalhal).

Uma contabilidade dramática para o Sporting, que tem sido impotente desportiva e financeiramente para encurtar o fosso entre as duas equipas. Mas em Alvalade voltou a morar a confiança nas últimas semanas, face ao arranque demolidor da equipa no campeonato. Em apenas dois jogos, os "leões" apontaram nove golos (na época passada, necessitaram de dez jornadas para atingir este patamar) e sofreram apenas um, assumindo a liderança da prova. Mas Leonardo Jardim não quer as expectativas demasiado elevadas.

"O balneário do Sporting dá pouca importância ao que os outros dizem. Estamos com duas jornadas de campeonato. Há quem tenha capacidade para avaliar uma equipa com duas jornadas, eu não tenho", alertou ontem o técnico na antecipação da partida. Apesar de tudo, não prescindiu de um discurso optimista e ambicioso que um clássico impõe: "Em nossa casa, queremos controlar o jogo, queremos vencer, mas partimos de um pressuposto de igualdade."

Regresso de Cardozo?
Leonardo Jardim tem também contas a ajustar com Jorge Jesus. Em quatro encontros disputados com o actual treinador "encarnado", nunca venceu. Defrontaram-se pela primeira vez a 19 de Outubro de 2008, quando o madeirense, então com 34 anos, orientava o Desportivo de Chaves (II Divisão), enquanto o seu rival estava no banco do Sp. Braga. Num jogo para a Taça de Portugal, os transmontados perderam em casa por 1-0. Nos quatro anos seguintes, os dois técnicos iriam reencontrar-se mais três vezes, tendo-se registado mais duas vitórias de Jesus e um empate.

Ao contrário dos "leões", o Benfica começou a Liga com o pé esquerdo. Após uma pré-época pouco convincente, os "encarnados" foram à Madeira perder com o Marítimo na primeira ronda do campeonato (2-1). Aumentaram as críticas a Jorge Jesus, acossado desde o final da temporada passada por ter perdido em poucos dias a Liga, a Liga Europa e a Taça de Portugal. Valeu ao técnico o balão de oxigénio resultante do sofrido triunfo na segunda jornada frente ao Gil Vicente (2-1). Não tanto pela vitória em si, mas pela forma dramática como foi arrancada, com dois golos nos descontos. No final, treinador e jogadores demonstraram uma sintonia que muitos duvidavam existir.

A verdade é que, para além de factores psicológicos, não existem grandes justificações para os baixos índices exibicionais dos "encarnados", que mantiveram a espinha dorsal da última temporada, reforçando-se com um conjunto de jogadores de inegável qualidade. Também por isso Leonardo Jardim desconfia da suposta fragilidade do adversário: "No último jogo [Gil Vicente], o Benfica actuou com dez jogadores da época passada e nós só apresentámos três ou quatro. O Benfica está forte, tem rotinas há muito assimiladas, mas nós também temos uma identidade e uma estratégia definida."

Se o Sporting deverá apostar na mesma equipa que goleou em Coimbra a Académica (4-0, no último fim-de-semana), a grande dúvida no Benfica será a presença do ponta-de-lança Óscar Cardozo, protagonista de um incidente disciplinar com Jorge Jesus no final da última temporada. O técnico "encarnado", contudo, abriu a porta a um eventual regresso do paraguaio para este jogo. Na decisão talvez tenham pesado os nove golos já apontados pelo paraguaio ao Sporting.

Sugerir correcção