I have a dream: as canções do sonho

Foi há 50 anos que Martin Luther King Jr. proferiu um dos discursos mais célebres de sempre, inspirando gerações de cantores.

Foto

Poucos discursos foram tão glosados no cinema ou na música popular como o que foi proferido por Martin Luther King Jr. há 50 anos em Washington, no contexto da campanha pelos direitos civis dos negros norte-americanos.

O seu discurso, composto por frases já repetidas durante a campanha pelos direitos civis em várias cidades, manteve um certo ritmo, até que a cantora Mahalia Jackson, entre a multidão, próxima do palco, gritou a King: “Tell them about the dream, Martin.” E é a partir desse momento que o orador é possuído pelo espírito profético, levando emoção à multidão.

Habituado às longas celebrações, com discursos enfáticos e intervenções efusivas que tinham espaço de expressão nas igrejas, Martin Luther King Jr. conseguia criar um espaço de transcendência nas suas intervenções. Qualquer coisa que a música também alcança.

O movimento pela cidadania, a força da cultura negra, a luta por espaço e respeito foram capazes de levar milhares de pessoas às ruas naqueles dias, num movimento que inspirou inúmeras canções ao longo dos anos.

Algumas incorporaram o sonho do discurso de Martin Luther King Jr. de forma directa. Outras reflectiram o contexto daqueles tempos revolucionários. Algumas fazem parte da história. Aqui estão algumas:

 

Mathalia Jackson – We shall overcome


(Uma das canções mais conhecidas da época do movimento dos direitos civis. Foi interpretada por Mathalia Jackson e muitos outros cantores da época)

 

Aretha Franklin – Someday we’ll all be free

(A liberdade era o grande tema da luta pela cidadania dos negros americanos. Esta é a versão de uma dessas canções que aborda o tema, interpretada por Aretha Franklin, e incluída no final do filme Malcolm X de 1992, realizado por Spike Lee)

 

Sam Cooke – A change is gonna come

(Esperar e desejar a mudança marcou a experiência da América negra durante muitas campanhas pelos direitos humanos. Esta é uma dessas canções, de 1963, mas de carácter intemporal)

 

Marvin Gaye – Inner City Blues

(Uma das canções que reflecte as precárias condições de vida na América urbana, principalmente depois dos conflitos raciais que se seguiram à morte de Martin Luther King Jr.)


 

Nina Simone – Mississipi goddam

(Muitas das canções dos anos 1960 de Nina Simone captavam o espírito do movimento pelos direitos civis. Esta é uma dessas canções que parecem incorporar os dramas humanos num tempo de convulsão)

 

Billie Holiday – Strange Fruit

(A versão mais conhecida desta canção é a de Billie Holiday, com o seu expressionismo vocal a condenar o racismo do Sul da América)

Michael Jackson – History

(Ao longo dos anos quase todas as celebridades negras da pop aludiram na sua obra à figura de Martin Luther King Jr. Michael Jackson também o fez na década de 1990)


 

Common – I have a dream

(Canção de 2006 do rapper Common que incorpora excertos do discurso de Martin Luther King Jr. no Lincoln Memorial, propondo um rejuvenescimento espiritual)


 

U2 – Pride (In the name of love)

(Nas décadas que se seguiram ao assassinato de Martin Luther King Jr. muitos artistas criaram canções de tributo à sua vida. Esta é uma das mais conhecidas)


 

Fingers Inc. - Can You Feel It?

(Editado em 1988, esta produção de Larry Heard, é um dos temas fundamentais da música house nos seus primórdios, vindo a influenciar inúmeros DJ e produtores da música electrónicas nas décadas que se seguiram)

 


 

Wray Gunn – Soul city

(Em Portugal, os Wray Gunn, na faixa de abertura do álbum Eclesiastes 1.11 de 2010, também utilizam um excerto do célebre discurso de Martin Luther King Jr.)

 
 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações