Marko Djurica/Reuters
Foto
Marko Djurica/Reuters

Esta jovem sérvia vê o mundo ao contrário (literalmente)

Bojana Danilovic sofre de uma rara perturbação neurológica chamada “fenómeno de orientação espacial”. O cérebro desta jovem sérvia não processa as imagens normalmente, o que a obriga, por exemplo, a ler jornais e livros ao contrário

Bojana Danilovic pega no jornal ou em livros de pernas para o ar (dá para imaginar quantas vezes não foi abordada na rua ou olhada com estranheza). Tem o ecrã e o teclado do computador invertidos, no seu local de trabalho. Vê televisão com a aparelho equilibrado ao contrário — a família usa outro televisor — e com o telemóvel acontece o mesmo. Nos cadernos, escreve de baixo para cima.

Aos 29 anos, esta jovem da cidade sérvia de Uzice sofre de uma rara perturbação neurológica chamada “fenómeno de orientação espacial”: enquanto os olhos de Bojana vêem o mundo da forma certa, o seu cérebro vira as imagens ao contrário. Assim se explica a necessidade de virar tudo de pernas para o ar.

A perturbação só afecta “certos aspectos” da visão de Bojana, refere um artigo da Euronews. “Vejo as pessoas de forma normal, estão com os dois pés no chão, não com a cabeça”, explica a jovem. “O maior problema é a orientação espacial. Fui desaconselhada a tirar a carta de condução, tive problemas na escola e não pude ter a educação que queria”, conta Bojana.

PÚBLICO -
Foto
Marko Djurica/Reuters

Esta funcionária da câmara de Uzice, no sudoeste da Sérvia, afirma que o seu problema é único no mundo. Foi examinada e estudada por cientistas do MIT (Massachusets Institute of Technology) e da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, responsáveis pelo diagnóstico. Os especialistas falharam, contudo, em perceber exactamente a razão do que acontece no cérebro de Bojana. “Disseram-me que já tinham visto casos de pessoas que escrevem como eu vejo, mas nunca alguém como eu”, refere.

PÚBLICO -
Foto
Marko Djurica/Reuters

Segundo o “New York Daily News”, Bojana sofre desta perturbação desde nascença, pelo que é “completamente normal”. “É apenas a forma como vejo o mundo.”

PÚBLICO -
Foto
Marko Djurica/Reuters