Foto

Re Timbrar

Varandim da Torre dos Clérigos

Cantam bombos, chocalham tréculas, rufam guitarras, sopram vozes... em Retimbrar o que se faz é música para todos. Actuam com liberdade para que o prazer se renove e a tradição não envelheça.

Retimbrar cumpre-se enquanto verbo no reaproximar das pessoas, e a energia encontra-se na procura de um espaço comum para que todos participem.

Apelam à evolução da cultura do ritmo em Portugal, levando a voz de numerosos tambores a expressar a necessidade de provocar movimento e agitação. Por onde passam há revolução. São muitos e são barulhentos quando bravos. Recomenda-se.

Os Retimbrar são um grupo musical do Porto, composto por 14 músicos, com um importante trabalho produzido em torno da exploração de ritmos tradicionais portugueses e da criação de uma oficina de desenvolvimento, inovação e investigação de instrumentos portugueses. O grupo procura enquadrar simultaneamente o respeito pela tradição no contexto musical actual e a reinvenção e reinterpretação dos materiais musicais. É para nós fundamental o desígnio de colocar a herança popular e cultural portuguesa em contacto com o Mundo ao mesmo tempo que assumimos como essencial a intensidade musical e o prazer de tocar e contagiar o público.


Ver mapa maior

Fundado por Andres “Pancho” Tarabbia, percussionista uruguaio radicado em Portugal, o grupo formou-se em 2008 com o apoio da Junta de Freguesia de Espinho, que apadrinhou a etapa inicial. Com a entrada de António Serginho, que entretanto coassumiu a coordenação e liderança do grupo, os Retimbrar iniciaram um importante processo de intervenção musical em diversos contextos sócio-culturais e comunitários. No currículo de alguns membros do grupo destacam-se participações em projectos como Foge Foge Bandido, Bernardo Sassetti, Nuno Prata, Pé na Terra, Olive Tree Dance, Deolinda, Boite Zuleika, Expensive Soul, Toque de Caixa, Clã, Rosa Negra, Zelig, Bilan, Drumming, Sérgio Godinho, A Presença das Formigas, Vitorino.