Ministro das Finanças grego admite novo empréstimo mas recusa mais austeridade

Yannis Stournaras diz que se for necessário pacote financeiro será na ordem dos 10 mil milhões.

Foto
Yannis Stournaras, ministro das Finanças da Grécia François Lenoir/Reuters

A Grécia até pode precisar de um terceiro resgaste, a rondar os 10 mil milhões de euros, mas não aceita mais medidas de austeridade. Esta é a posição do ministro das Finanças grego, numa altura em que um novo pacote de ajuda aos gregos voltou a merecer discussão entre alguns dos principais responsáveis da zona euro.

“Se houver necessidade de mais apoio à Grécia, será na ordem dos 10 mil milhões de euros, muito abaixo dos programas anteriores”, disse Yannis Stournaras, em entrevista ao jornal Proto Thema. A Grécia já recebeu dois pacotes de ajuda, totalizando 240 mil milhões de euros.

O tema foi reintroduzido por uma declaração de Wolfgang Schäuble, ministro das Finanças alemão, admitindo que a Grécia pode necessitar de mais ajuda.

Esta semana vários responsáveis europeus, a começar por Schäuble, confirmaram que está a ser equacionado um novo pacote de ajuda à Grécia, que não tem as suas necessidades de financiamento completamente asseguradas. O FMI estima que o Governo grego poderá ter um défice de financiamento de 4400 milhões em 2014 e mais 6500 milhões de euros em 2015, ou seja, depois de estar concluído o programa de ajustamento.

“Não estamos a falar de um novo resgate, mas sim de um pacote de apoio sem novos termos [de austeridade] até 2016. Os objectivos – as novas obrigações – foram estabelecidos e não podem ser exigidas outras medidas ou objectivos”, disse ainda Stournaras.

Segundo reportou este fim-de-semana a imprensa grega, a dívida pública do país ascendeu no final do primeiro semestre a 321 mil milhões de euros, correspondentes a 180% do Produto Interno Bruto (PIB) e a um aumento de 18 mil milhões de euros face ao final de Junho de 2012.

O ministro grego admitiu ainda que, actualmente, a Grécia ainda não cumpre as condições necessárias para financiar a sua dívida através do recurso aos mercados, mas mostrou confiança de que tal possa ocorrer durante o próximo ano.