Petição em defesa da Cinemateca

Os autores do documento pretendem que o tema seja debatido no Parlamento.

Foto

O realizador José Carlos de Oliveira e o candidato socialista à Câmara Municipal de Oeiras, Marcos Sá, lançaram uma petição em defesa da Cinemateca Portuguesa, reagindo às recentes notícias de que instituição poderá vir a encerrar por falta de verbas.

Os autores do documento, que é dirigido à presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, pretendem que o tema seja debatido no Parlamento e que se tomem as medidas “legislativas e políticas necessárias para garantir o funcionamento da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema” e para evitar o seu encerramento.  

A directora da Cinemateca, Maria João Seixas, afirmara esta semana ao PÚBLICO que a instituição corria o risco de suspender as suas actividades já em Setembro, caso não fosse encontrada rapidamente uma solução para os seus problemas de tesouraria, resultantes da quebra acentuada nas receitas provenientes da taxa cobrada sobre a publicidade televisiva. Um aviso público ao qual o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, reagiu com a garantia de que a Cinemateca não irá encerrar e que estariam já a ser asseguradas as medidas necessárias para garantir o seu funcionamento.

“O Governo, a quem cabe a protecção dos acervos nacionais, não anteviu a solução para um problema que conhecia bem, porque acreditou desavisadamente que o tecido empresarial do sector do Cinema e Audiovisual cumpriria a nova Lei 55/2012, de 6 de Setembro”, diz o texto da petição, que pode ser assinada em “http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=P2013N70628”. Admitindo que a actual situação “não decorre dum desígnio do Governo”, os subscritores do documento temem, no entanto, que, dada a dimensão que o problema já atingiu, “os obstáculos se sobreponham à capacidade e vontade do Governo” para o resolver.