Fotojornalista violada por grupo em Bombaim

Polícia identificou e deteve cinco homens suspeitos. Violência contra mulheres volta a gerar protestos.

Fotogaleria
Esboço dos cinco suspeitos, segundo a descrição do colega da vítima DR/Hindustan Times
Fotogaleria
Violação ocorreu junto a uma linha ferroviária, em Bombaim Navesh Chitrakar/Reuters

Uma fotojornalista estagiária, de 22 anos, foi violada por um grupo presumivelmente constituido por cinco homens, em Bombaim, Índia, na quinta-feira, por volta das 18h locais. A vítima deu entrada num hospital com hemorragias internas, mas encontra-se livre de eprigo. A polícia conduziu dez suspeitos para interrogatório e deteve cinco.

Segundo a edição online do jornal Times of India, os atacantes agiram em grupo: três terão violado a jovem, ao passo que outros dois terão manietado um colega da estagiária, depois de lhe baterem. Ambos estavam ao serviço de uma revista de lifestyle e encontravam-se a fotografar nas instalações de uma fábrica abandonada em Mahalaxmi.

Esta zona é descrita pela Reuters como um antigo bairro industrial que é uma das zonas de maior crescimento em Bombaim, com apartamentos de luxo, centros comerciais e bares.

A polícia divulgou, através dos jornais, o esboço das caras de cinco suspeitos, conforme descritos pelo colega da vítima. O jornal Hindustan Times diz que a polícia deteve cinco suspeitos. Um comissário descreveu em declarações à Reuters o que se passou.

"A jovem e o seu colega estavam a fotografar. Dois homens aproximaram-se dela, perguntando se tinham autorização para fotografarem ali", contou Satyapal Singh. O local do crime é adjacente a uma linha de ferro. Os homens alegaram que os dois colaboradores da revista estariam em propriedade privada. "Um terceiro homem juntou-se ao grupo e violaram a fotógrafa em grupo", acrescentou o comissário, revelando que dez suspeitos foram conduzidos à esquadra para interrogatório.

A segurança das mulheres na Índia volta assim a ser questionada e mais um caso de violação em grupo gera protestos. Bombaim é considerada uma das cidades mais seguras para as mulheres na Índia. Por isso, diz o jornal Hindustan Times, muitos dos que agora fazem ouvir as suas críticas, sobretudo através das redes sociais na Internet, questionam se Bombaim está a seguir o caminho de Nova Deli em termos de ameaças à integridade das mulheres.

Em Dezembro de 2012, dezenas de milhares de indianos foram para a rua protestar, na sequência de um caso semelhante que ocorreu em Nova Deli, num autocarro, e envolveu uma estudante de medicina, de 23 anos, que acabou por morrer duas semanas mais tarde, por causa dos ferimentos sofridos. O julgamento dos agressores desse aso está na fase final. Uma das sentenças, relativa a um menor, deverá ser lida até ao final do mês de Agosto, diz a Reuters.