Três jovens dos EUA matam australiano por diversão

Homicídio está a chocar a comunicade norte-americana e a levar partidos políticos conservadores a encararem o sucedido como um crime racial.

Foto

Christopher Lane, australiano de 22 anos de idade, foi assassinado enquanto fazia jogging pelas ruas da cidade de Duncan, nos Estados Unidos, e as autoridades informaram esta terça-feira que o jovem foi alvejado nas costas porque os homicidas “não tinham nada melhor para fazer”.

Os suspeitos, James Edward, 15 anos, Chancey Luna, 16 anos, e Michael Jones, 17 anos de idade, foram detidos pouco depois do tiroteio.

Enquanto os dois elementos mais jovens do grupo foram acusados de homicídio em primeiro grau, Jones terá que responder a um processo criminal por alegada conivência com o assassinato.

“Quando repararam que havia um rapaz a correr pela rua, decidiram escolhê-lo como alvo”, afirmou Danny Ford, chefe da Polícia de Duncan, ao canal norte-americano KSWO. Um dos rapazes chegou a afirmar às forças policiais que iam “matar alguém de qualquer forma”.

Christopher Lane frequentava a East Central University e possuía uma bolsa escolar de basebol, revelou a CNN. As autoridades conseguiram identificar os alegados assassinos através das imagens captadas por uma câmara de videovigilância das redondezas.

“Ele deixou a sua marca no mundo, e, apesar de tudo, sabemos que o que aconteceu não trará quaisquer consequências positivas, uma vez que não faz sentido”, declarou emocionado Peter Lane, pai de Christopher, à CNN. “Temos de aceitar o que aconteceu. É errado e temos de lidar com isto da melhor maneira que conseguirmos.”

Como James Edward e Chancey Luna são afro-americanos, enquanto Michael Jones é caucasiano, já são vários os partidos políticos conservadores norte-americanos a denunciarem este assassinato como um crime racial, avança o Huffington Post.

Edward chegou, inclusive, a fazer uma publicação racista no Twitter no passado dia 29 de Abril de 2013: “90% da população branca é desagradável, ODEIO-OS!”