Evandro é o protagonista no percurso europeu do Estoril-Praia

Brasileiro apontou quarto golo em outros tantos jogos na temporada 2013-14, abrindo caminho à vitória sobre o Pasching.

Carlitos apontou o segundo golo do Estoril frente ao Pasching
Foto
Carlitos apontou o segundo golo do Estoril frente ao Pasching José Manuel Ribeiro/Reuters

O Estoril somou o quarto jogo consecutivo sem perder neste início de época e ficou mais perto da fase de grupos da Liga Europa com a vitória (2-0) na recepção ao Pasching, em jogo da primeira mão do play-off da segunda competição da UEFA. Frente a um adversário oriundo do terceiro escalão do futebol austríaco – mas que conquistou a Taça da Áustria na temporada passada – a equipa de Marco Silva chegou à vantagem logo aos dez minutos e teve sempre a partida sob controlo. As estatísticas da UEFA são esclarecedoras: 21-2 em remates, a favor da equipa portuguesa.

A estreia europeia do Estoril dificilmente podia estar a correr melhor e Evandro é um nome que ficará ligado ao percurso dos “canarinhos” nas competições europeias. Foi ele que fez o golo que deu a vitória sobre o Hapoel Ramat Gan, na segunda mão da terceira pré-eliminatória da Liga Europa. E também foi o brasileiro que inaugurou o marcador nesta quinta-feira frente ao Pasching, num jogo em que se destacou. Este foi o terceiro jogo consecutivo de Evandro a marcar, já que na primeira jornada da I Liga tinha apontado dois golos no triunfo (3-1) do Estoril sobre o Nacional.

Apesar de, tal como o Estoril, estar a viver um momento histórico, o Pasching nunca foi capaz de bater-se de igual para igual com a equipa de Marco Silva. E foi precisamente de um falhanço da equipa austríaca que surgiu o primeiro golo estorilista: Mano interceptou um mau atraso e serviu Evandro, que surgiu na área a rematar sem hipóteses para o guarda-redes Hans-Peter Berger (que já jogou no futebol português, ao serviço do Leixões).

Carlitos esteve perto do 2-0 aos 19’, quando recebeu a bola no peito e rematou de bicicleta, mas ao lado. O mesmo jogador não voltou a falhar já perto do intervalo: após boa iniciativa de João Pedro Galvão, Carlitos surgiu à entrada da área a rematar de primeira, fora do alcance do guarda-redes austríaco, num belo golo.

Tranquilo, o Estoril pôde gerir a vantagem no segundo tempo. E até ficou a dever um par de golos a si próprio. Na sequência de um canto, Filipe Gonçalves viu o seu cabeceamento ser travado por uma grande defesa de Berger (59’). Evandro disparou a centímetros do poste da baliza do Pasching (65’) e Diogo Amado, aos 76’, revelou pontaria a mais na recarga a um remate de Carlitos: acertou em cheio no ferro.

“Foi uma vitória justa, que nos permite encarar a segunda mão com maior tranquilidade. Mas sabemos que nada terminou aqui. Não podemos esperar que este resultado chegue”, sublinhou no final o treinador Marco Silva. “Fomos a melhor equipa em campo, claramente. Estamos optimistas para a segunda mão”.