Vila Pouca de Aguiar investe sete milhões para alargar oferta turística

Foto
As ecohouses e o Pedras Salgadas Spa & Nature Park foram inaugurados no passado dia 23 de Julho DR

Câmara cria escola de golfe e centro equestre em Pedras Salgadas, para complementar investimento da Unicer

A Câmara de Vila Pouca de Aguiar vai construir em Pedras Salgadas a Academia de Golfe, um investimento de 500 mil euros que deverá estar concluído até Janeiro de 2015. A vila termal, onde a Unicer gastou 20 dos 82 milhões de euros que investiu nos últimos anos na região, vai ver recuperado o Centro Hípico das Romanas, outra iniciativa do município que pretende complementar, com projectos que custarão sete milhões de euros, o esforço dos privados no turismo do concelho.

O presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, Domingos Dias, admitiu ao PÚBLICO que estas contrapartidas municipais terão sido essenciais para convencer a Unicer, detentora da concessão das águas de Vidago (Chaves) e Pedras Salgadas a investir nesta última localidade, cujo parque termal é já conhecido pelo Spa e pelas suas ecohouses. "Queremos atrair mais gente com preocupações ambientais. Gente que goste de percorrer os nossos trilhos, a ecopista entre Vidago e Pedras, a pé, de bicicleta ou cavalo", explicou o autarca.

A cervejeira renovou o Palace Hotel de Vidago e construiu um campo de golfe no parque envolvente e, agora, meia dúzia de quilómetros a sul, ligada precisamente pela ecopista que substitui a antiga Linha do Corgo, nascerá uma escola, num projecto assinado pelo arquitecto Luís Rebelo de Andrade. O autarca adiantou que já foi assinado um protocolo com a Unicer, que cedeu um espaço para a obra. "Na região, ainda não há um local onde aprender a jogar golfe. A academia vai ser um espaço que vai ser adaptado para a iniciação a este desporto", destacou.

Dormir num castro

A câmara viu aprovada uma candidatura ao programa Provere, que lhe garante fundos europeus para 85% do investimento a realizar. Por dois milhões de euros, ao lado da Academia de Golfe, será recuperado o Centro Hípico das Romanas, onde o município quer fazer renascer os concursos de saltos internacionais, que deixaram de se realizar no concelho com o declínio das termas. Em simultâneo, o espaço vai funcionar, todo o ano, como escola de hipismo.

A autarquia vai ainda proceder à requalificação das margens do rio Avelames, que atravessa a vila, o que permitirá transformar o curso de água num espaço de fruição, com percusos pedestres e novas áreas de recreio e lazer. O custo total desta obra chegará aos 1,1 milhões de euros. "São investimentos que vão tornar Pedras Salgadas mais atractiva", notou o autarca, esperando que, após a conclusão das várias empreitadas, em 2015, se comece a notar mais o crescimento do turismo e a alteração do perfil de quem visita o concelho.

Vila Pouca está a apostar na vertente ambiental, mas também pretende tirar proveito da sua riqueza arqueológica, cujo ex-líbris é o complexo mineiro romano de Tresminas, que chegou a ser um dos mais importantes do Império. Por aqui e por Chaves (Aquae Flaviae) passava a via XVII, que ligava duas capitais provinciais: Bracara Augusta (Braga) e Asturica Augusta (Astorga, em Leão, Espanha).

Neste campo, junto à barragem da Falperra, na serra do Alvão, onde, a 900 metros de altitude, existe já um grande parque de lazer, a autarquia vai reconstituir um castro ali existente. No qual, revelou Domingos Dias, vai ser possível dormir. A intervenção, que decorrerá numa zona às portas do Parque Natural do Alvão, permitirá um regresso aos séculos anteriores e contemporâneos da ocupação romana nesta região.