Bebé com leucemia morreu depois de apadrinhar o casamento dos pais

Criança tinha poucas semanas de vida e os pais anteciparam a cerimónia para o filho poder participar. Acabou por morrer nesta segunda-feira.

Logan Stevensson no dia do casamento dos pais
Foto
Logan Stevensson no dia do casamento dos pais DR

O bebé norte-americano de dois anos a quem foi diagnosticada leucemia mielóide aguda morreu nesta segunda-feira, dois dias depois de ter sido padrinho de casamento dos pais. Estes decidiram antecipar a cerimónia para que o filho pudesse assistir mas já sabiam que a vida de Logan estava por um fio.

“Está com os anjos e já não sente dor”, escreveu a mãe do bebé, Christine Swidorsky, na sua página de Facebook, a anunciar a morte do filho. Segundo a BBC, Logan Stevenson morreu nos braços de Christine e de Sean, o pai, na segunda-feira à noite, dois dias depois de ter simbolicamente apadrinhado o casamento dos dois.

A cerimónia estava marcada para Julho do próximo ano mas foi antecipada para que Logan pudesse assistir. O bebé foi diagnosticado com leucemia (cancro do sangue) pouco depois do nascimento e desenvolveu um tumor num rim. Apesar de ter sido submetido a várias operações, no mês passado os médicos davam-lhe poucas semanas de vida.

Logan chegou ao altar, em Pittsburgh, nos Estados Unidos, ao colo da mãe e assistiu, nos braços da avó paterna, à curta cerimónia. "É a realização do nosso sonho", disse a mãe, de 36 anos, em lágrimas, a um jornal local.

O caso ganhou grande repercussão mundial, incluindo nas redes sociais, onde foi criada uma página de apoio ao bebé de Jeannette, a 25 milhas (40 km) de Pittsburg.

Logan nasceu em Outubro de 2010 e, pouco depois de fazer um ano, foi-lhe diagnosticada leucemia mielóide aguda. O bebé padeceu também de anemia de Fanconi, uma doença rara que muitas vezes conduz a casos de cancro.