BE anuncia impugnação da candidatura de Álvaro Amaro à Guarda

Foto

O candidato do Bloco de Esquerda (BE) à Câmara da Guarda anunciou nesta segunda-feira que o seu partido vai apresentar na terça-feira, no tribunal desta cidade, um pedido de impugnação da candidatura liderada pelo social-democrata Álvaro Amaro.

Álvaro Amaro, que cumpre o terceiro mandato consecutivo como presidente da Câmara de Gouveia, “não pode” concorrer à presidência do município da Guarda, sustenta o cabeça de lista do BE, Marco Loureiro, com base no entendimento que o partido faz da lei de limitação de mandatos.

“Não estamos com receio do debate político” nem existe “nada no plano pessoal” contra Álvaro Amaro, salientou Marco Loureiro, que falava à agência Lusa, à margem de um jantar de apresentação das listas do BE à Câmara e Assembleia municipais da Guarda, em que participou o ex-deputado e membro da Comissão Política Nacional do partido Pedro Soares.
Trata-se de “defender princípios” e “o cumprimento da lei”, disse o candidato bloquista.

A 18 de Junho, o Tribunal Judicial da Guarda já se tinha pronunciado sobre uma providência cautelar do Movimento Revolução Branca para impedir a candidatura de Álvaro Amaro à Câmara da Guarda.

O tribunal decidiu que o Movimento Revolução Branca carecia de “legitimidade processual”, por não ser titular “do direito de acção popular reivindicado”, na questão sobre a candidatura de Álvaro Amaro.

Sobre a eleição que se avizinha, a criação de emprego na Guarda é uma das principais preocupações do candidato do BE, para quem o poder local tem de apoiar e apresentar soluções para promover a criação de empresas e de postos de trabalho, designadamente para fixar na região os jovens formados no Instituto Politécnico da cidade.

Segundo Marco Loureiro, é preciso travar o encerramento ou deslocalização de empresas e isso passa pela conclusão da renovação da linha ferroviária da Beira Baixa entre Guarda e Covilhã, troço onde diz que já foram investidos muitos milhares de euros na requalificação de túneis e pontes, mas que continua fechado e com as obras paradas há mais de três anos.

A falta de vias de acesso e a introdução de portagens nas auto-estradas A23 e A25 fazem com que haja empresas que estão a pensar sair da região, adverte o candidato do BE, considerando que estas situações são reflexo do “massacre” que está a sofrer a Guarda, e o interior do país em geral, e do “total desrespeito pelas pessoas” que ali vivem por parte da administração central.

Para as eleições de 29 de Setembro, foram anunciados mais cinco candidatos à presidência do município da Guarda, que é actualmente liderada pelo socialista Joaquim Valente, que não se candidata ao terceiro mandato.

O PS candidata o advogado José Martins Igreja, de 57 anos, o PSD, em coligação com o CDS-PP, apresenta o actual presidente da Câmara Municipal de Gouveia, o economista Álvaro Amaro, 59 anos, e a CDU candidata o ambientalista Mário Triunfante Martins, de 70.

Concorrem ainda dois independentes: Virgílio Bento (58 anos, professor de Filosofia, ex-vice-presidente da autarquia e actual vereador sem pelouros) e Baltasar Lopes (52 anos, presidente da Junta de Freguesia de Aldeia Viçosa).