Necessidades financeiras do Estado poderão baixar para metade em 2014

Fundo de estabilização da Segurança Social vai comprar quatro mil milhões de euros em títulos da dívida, o que poderá reduzir para metade as necessidades de financiamento do Estado em 2014.

Foto
Necessidades de financiamento para 2013 estão totalmente cobertas David Clifford/Arquivo

O financiamento líquido que o Estado português terá de obter junto de investidores privados durante o próximo ano pode ficar reduzido a metade com as compras de dívida que o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) se prepara para fazer.

De acordo com uma apresentação feita pelo Instituto de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP a investidores estrangeiros, o Estado já tem as suas necessidades de financiamento para 2013 totalmente cobertas e, para 2014, vai necessitar de obter 8200 milhões de euros de financiamento adicional.

A explicação para este valor está no facto de as necessidades totais de financiamento em 2014 ascenderem, de acordo com as contas das Finanças, a 20.900 milhões de euros, que estão parcialmente cobertos com os 8000 milhões de euros que ainda serão emprestados pela troika e com 4700 milhões de depósitos que o Tesouro ainda poderá utilizar (ainda há mais 6400 milhões, mas estão reservados para uma eventual necessidade de recapitalização da banca). Feitas as contas, sobram 8200 milhões por financiar.

Leia mais na edição online exclusiva para assinantes ou na edição impressa