Produção de milho no regadio de Alqueva atinge as 85 mil toneladas

Foto
O milho já é a cultura arvense com maior expressão em Portugal pedro cunha/arquivo

Apesar das condições climatéricas adversas, a produção de milho já representa 40 por cento da área plantada com cereais

A produção de milho em grão nos blocos de rega em Alqueva voltou a aumentar em relação ao ano anterior, atingindo as 85 mil toneladas (até 22 de Julho), quando a nível nacional o valor alcançado foi de cerca de 102 mil toneladas, anunciou a Associação Nacional de Produtores de Milho e Sorgo (Anpromis).

A produção média por hectare estimada pela Anpromis em Alqueva atinge as 14 toneladas por hectare e nalguns locais do novo regadio quase atingiu as 20 toneladas. Em relação a 2011, a produção nesta zona do Alentejo mais que duplicou, passando das 38 mil toneladas para as 85 mil.

A área semeada em Alqueva passou dos 2700 hectares em 2011 para os quase 6000 hectares em 2013. Luís Vasconcellos e Souza, da Anpromis, realçou a importância crescente do novo regadio no Sul do país na produção de milho, frisando que "é hoje em dia uma realidade", que traduz "a capacidade de investimento e de afirmação dos produtores nacionais, numa altura de grandes restrições financeiras", pese embora "a habitual e acentuada volatilidade dos preços que caracteriza o mercado mundial de cereais".

Os dados provisórios apresentados pelo Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), que a Anpromis divulga, referem que a área cultivada com milho para grão registou em Portugal, face a 2012, um aumento de 7 por cento, passando de 95 mil hectares para os actuais 102 mil hectares.

A produção de milho é, neste momento, a cultura arvense com maior expressão em Portugal, ocupando cerca de 40% da área total de cereais, semeando-se este ano 147 mil hectares, dos quais cerca de 102 mil correspondem a milho para grão e 45 mil hectares de milho para silagem. Por região, o maior aumento de área do milho para grão em 2013 verificou-se no Alentejo com mais 2400 hectares relativamente a 2012, "nomeadamente na zona de Alqueva", precisa a Anpromis.

No espaço de três campanhas agrícolas, a área nacional de milho (grão e silagem) aumentou 9300 hectares, a que corresponde um acréscimo de 14 mil hectares, no caso do milho para grão, e a uma redução de 4700 hectares, no caso do milho para silagem, "a que não é alheia a crise que atravessa o sector leiteiro nacional" salienta a Anpromis.

Este organismo que reúne os produtores realça "as condições climatéricas bastante adversas" que se fizeram sentir durante a Primavera (precipitação abundante e temperaturas reduzidas), que vieram dificultar "as sementeiras do milho em vastas áreas" do país e condicionaram "consideravelmente" o normal desenvolvimento de inúmeras searas de norte a sul do país.

Mesmo assim, e segundo dados provisórios do IFAP, verificou-se um aumento na produção de aveia, centeio, trigo e triticale. A produção de arroz e sorgo registaram um pequeno decréscimo. Na produção total de cereais verificou-se um aumento das 336 mil na campanha anterior para as 360 mil toneladas.