Hemeroteca de Lisboa fecha em Setembro e só reabre no próximo ano

Foto
A Hemeroteca da Câmara de Lisboa funciona no Palácio dos Condes de Tomar desde 1973 Rui GaudÊncio

Até que as novas instalações abram, não será possível consultar o acervo da hemeroteca. Câmara diz que há alternativas.

A Hemeroteca Municipal de Lisboa, no Bairro Alto, vai encerrar no dia 7 de Setembro e só voltará a abrir nas novas instalações, no antigo Complexo Desportivo da Lapa, em data por definir em 2014.

A hemeroteca, que em Julho de 2011 celebrou o seu octogésimo aniversário, está instalada no Palácio dos Condes de Tomar, na Rua de São Pedro de Alcântara, desde 1973. Este depósito de publicações periódicas reúne mais de 20 mil títulos, incluindo periódicos dos séculos XVIII e XIX, dos quais o mais antigo é uma Gazeta de Lisboa de 10 de Agosto de 1715. No final de 2012, a Câmara de Lisboa celebrou com a Misericórdia de Lisboa um acordo de permuta, com base no qual o palácio do Bairro Alto passou a ser propriedade da Santa Casa. Segundo informações da vereação da Cultura da autarquia, a entrega do edifício deverá ocorrer até 30 de Setembro, pelo que o fecho da hemeroteca foi agendado para o dia 7 desse mês, "iniciando-se então a desmontagem, embalagem e transporte de todo o acervo e mobiliário". No aviso que está a ser divulgado pela autarquia, diz-se que "durante o período de encerramento funcionará na Biblioteca Camões, no Largo do Calhariz, o Serviço de Referência Especializado em Publicações Periódicas, criado para garantir todo o apoio informativo e de referência aos utilizadores". Na prática, explica a câmara, esse serviço "serve para ajudar a pesquisar, informar e encaminhar os leitores e investigadores especializados" para locais alternativos à hemeroteca.

"Dado que o acervo estará armazenado no depósito central da rede de bibliotecas, não é possível a sua consulta directa pelo público até à reabertura do novo espaço", explica a vereação da Cultura, sublinhando que "os leitores e investigadores têm diversas alternativas em Lisboa para acederem a publicações periódicas". "A melhor alternativa", acrescenta a autarquia, "é, sem dúvida, a Biblioteca Nacional cuja Hemeroteca tem uma colecção idêntica e usufrui de Depósito Legal desde 1931".

Na página da hemeroteca na Internet (hemerotecadigital.cm-lisboa.pt) esclarece-se que a partir de dia 7 de Setembro "não será possível aceder à coleção", "não será possível responder a pedidos de digitalização ou fotocópia de documentos" e "não haverá oferta de atividades culturais e educativas". Além disso, "o Serviço de Informação Bibliográfica será desativado, bem como o Serviço de Apoio a Publicações Oficiais".

A Hemeroteca Municipal de Lisboa recebeu em 2012, segundo números da autarquia, 48 mil visitantes "que são utilizadores efectivos do acervo", que ali consultaram documentos especializados ou generalistas. A autarquia sublinha que a Hemeroteca Digital, que no ano passado teve cerca de 250 mil utilizadores, irá manter-se "em pleno funcionamento".

Quanto à abertura das novas instalações, no antigo Complexo Desportivo da Lapa, perto da Assembleia da República, op gabvinete da vereadora Catarina Vaz Pinto informa que "não há ainda previsão exacta" de quando isso acontecerá. A ideia é que o equipamento coexista com uma biblioteca, integrada na Rede de Bibliotecas Municipais.

Questionada sobre a hipótese de a hemeroteca abrir em instalações provisórias até ao novo espaço estar pronto, a Câmara de Lisboa explicou que "os custos de reconversão e instalação provisória seriam seguramente significativos". E destacou uma vez mais que "durante o tempo de fecho os leitores serão apoiados pelo mencionado Serviço de Referência e por toda a Rede de Bibliotecas e terão disponíveis outros locais na cidade".