Castorf enfrenta o público de Bayreuth e é vaiado

Na estreia da última parte de O Anel de Nibelungo confirmou-se o veredicto: o público não gostou da encenação arrojada de Frank Castorf.

Fotogaleria
Os tenores Norbert Ernst e Burkhard Ulrich na ópera "O Ouro do Reno" Bayreuth
Fotogaleria
A mezzo-soprano Claudia Mahnke, os barítonos Wolfgang Koch, Norbert Ernst e Sorin Coliban, o baixo Guenther Groissboeck, o barítono Oleksandr Pushniak, o tenor Lothar Odinius e a soprano Elisabet Strid num ensaio do "O Ouro do Reno", a primeira das óperas da tetralogia Bayreuth
Fotogaleria
A soprano Anja Kampe e o tenor Johan Botha em "A Valquíria", da tetralogia de Wagner Bayreuth
Fotogaleria
A soprano Mirella Hagen, os tenores Lance Ryan e Burkhard Ulrich num ensaio de "Siegfried", encenada por Frank Castorf, uma das quatro óperas com compõem o "Anel do Nibelungo" de Richard Wagner Bayreuth
Fotogaleria
Os barítonos Wolfgang Koch e Martin Winkler na ópera "Siegfried" Bayreuth
Fotogaleria
A soprano Catherine Foster e o tenor Lance Ryan num ensaio de "Siegfried" Bayreuth
Fotogaleria
O tenor Lance Ryan e as soprano Alison Oakes e Catherine Foster na ópera "O Crepúsculo dos Deuses", da tetralogia de Wagner Bayreuth
Fotogaleria
A soprano Catherine é Brunnhilde em "O Anel do Nibelungo" Bayreuth
Fotogaleria
A sala de ópera do Festival de Bayreut Bayreuth
Fotogaleria
O tenor Benjamin Bruns e o baixo bass Franz-Josef Selig em "O Navio Fantasma", encenada por Jan Philipp Gloger Bayreuth
Fotogaleria
O festival começou a 25 de Julho com "O Navio Fantasma" Bayreuth
Fotogaleria
O baixo Samuel Youn, o barítono Thomas Johannes Mayer e a soprano Annette Dasch na ópera "Lohengrin", encenada por Hans Neuenfels Bayreuth
Fotogaleria
O coro na ópera "Lohengrin", encenada por Hans Neuenfels Bayreuth
Fotogaleria
A ópera "Tannhaeuser", encenada por Sebastian Baumgarten Bayreuth
Fotogaleria
Richard Wagner numa obra do artista alemão Ottmar Hoerl em Bayreuth Bayreuth
Fotogaleria
Obra do artista alemão Ottmar Hoerl Bayreuth
Fotogaleria
Obra do artista alemão Ottmar Hoerl Bayreuth
Fotogaleria
Obra do artista alemão Ottmar Hoerl Bayreuth

O encenador alemão voltou a ser vaiado no Festival de Bayreuth. Na estreia na quarta-feira de O Crepúsculo dos Deuses, a última parte da tetralogia O Anel do Nibelungo, Castorf subiu ao palco e ouviu os assobios de dois mil espectadores. O maestro Kyrill Petrenko voltou, no entanto, a ser aplaudido.

Depois de ver as suas primeiras três encenações vaiadas (O Ouro do Reno, A Valquíria e Siegfried), Frank Castorf subiu ao palco, ouviu os assobios e em seguida apontou com o indicador para o público e para a própria testa, num gesto provocatório. Como é tradição nas apresentações deste libreto em Bayreuth, o encenador deve esperar até que o ciclo de quatro espectáculos (16 horas) seja apresentado para subir ao palco.

Ao contrário do que tinha acontecido nas três primeiras partes do Anel, desta vez também dois dos cantores foram assobiados. A participação do baixo Attila Jund, que interpreta o papel de Hagen, foi decepcionante, segundo o relato da agência de notícias AFP, e o tenor canadiano Lance Ryan, no papel de Siegfried, um dos mais exigentes da obra de Wagner, apresentou uma “voz tensa e cansada”. Ambos foram vaiados pelo público wagneriano de Bayreuth.

Como já tinha acontecido nas anteriores estreias, a estrela da noite voltou a ser o maestro russo Kyrill Petrenko, ovacionado mais uma vez pela condução de O Crepúsculo dos Deuses. A soprano britânica Catherine Foster, estreante neste festival, tal como Petrenko, foi também fortemente aplaudida.

Na encenação que fez do Anel, Frank Castorf substituiu as referências mitológicas com que Wagner escreveu a sua história por personagens, lugares e temas políticos e ideológicos dos séculos XX e XXI. Na semana passada, o encenador disse à Deutsche Welle que concordou com o pedido de Petrenko de não alterar a partitura, mas não abdicou de mexer na história. “São os desvios que me interessam”, disse em relação ao seu método particular de se distanciar dos textos originais que encena. Na mesma entrevista, Castorf acrescentou que, se não houvesse irritação na reacção do público, não teria graça.

O encenador berlinense de 61 anos, conhecido pela forma pouco convencional com que adapta clássicos, foi escolhido para encenar O Anel do Nibelungo no festival fundado em 1876 pelo próprio Richard Wagner. Este programa em Bayreuth foi anunciado como o apogeu das celebrações do bicentenário do nascimento do compositor alemão. Antes do início do festival, Castorf disse que não teve o tempo necessário para o empreendimento que é encenar a tetralogia de Wagner. Foram-lhe dados dois anos, depois de o realizador Wim Wenders, inicialmente escolhido, ter desistido.

O ciclo completo de O Anel do Nibelungo por Frank Castorf volta ao palco de Bayreuth mais três vezes, até 28 de Agosto, data do fim do festival. Os bilhetes para a edição deste ano foram sendo reservados de há dez anos a esta parte.