Presidente e vereador da Câmara da Covilhã absolvidos do crime de prevaricação

Autarcas mandaram legalizar 63 moradias construídas em área protegida e outras obras ilegais, entre 2000 e 2005, mas o tribunal concluiu que agiram sem intenção de beneficiarem terceiros ou de obterem qualquer proveito pessoal.

Carlos Pinto disse que já contava com esta decisão do tribunal
Foto
Carlos Pinto disse que já contava com esta decisão do tribunal Sérgio Azenha/Arquivo

A acusação sustentava que o presidente e o vereador tinham mandado legalizar ilegalmente 63 moradias unifamiliares construídas em área protegida pela concessionária da Serra da Estrela, a Turistrela. Os factos ocorreram entre 2000 e 2005 e englobam ainda um loteamento no Penedos Altos e de uma obra no Hotel Santa Eufémia, na cidade.

O colectivo que julgou o caso deu como provados os factos. Todavia, considerou que não ficaram preenchidos os requisitos exigidos na lei para uma condenação por prevaricação.

Faltou demonstrar o dolo específico, ou seja, que os arguidos tiveram intenção de beneficiar alguma das três entidades ou que tiraram proveito pessoal desses licenciamentos, explicou o juiz-presidente, António Gabriel, que realizou a leitura do acórdão por apontamento. Com mais de 100 páginas, o documento sustenta ainda que, “à luz da lei de hoje”, os arguidos não estariam a cometer qualquer ilegalidade.

“Quando procederam aos licenciamentos estavam a violar o Plano Diretor Municipal, mas entretanto foram aprovadas novas regras urbanísticas. Hoje, a actuação dos arguidos estaria dentro da lei”, esclareceu o juiz. António Gabriel fez ainda questão de explicar que a lei dita que entre dois códigos distintos se aplique o que beneficia o arguido.

A valorização do direito ao interesse público relativamente ao direito da legalidade foi outro dos motivos que fundamentaram esta decisão. O colectivo de juízes concluiu que, se as obras em causa não fossem licenciadas, o concelho perderia esses investidores e, consequentemente, “os empregos e mais-valias” que estes originaram na região.

“Por tudo isto os arguidos vão absolvidos, mas espero que no exercício do poder político não esqueçam que é o interesse do cidadão que está em causa”, disse no final o juiz. António Gabriel recordou ainda as pressões que “alguns políticos” fazem para que as leis sejam alteradas, mas fez questão de sublinhar que, “por mais voltas que se dêem, a justiça continuará sempre a existir”.

No final, Carlos Pinto e João Esgalhado mostraram-se satisfeitos com a decisão. “Era o que eu esperava. Aliás, isto mostra que não havia qualquer razão para sermos julgados. O tribunal considerou, e bem, que os factos não tinham relevância criminal”, referiu Carlos Pinto. O vereador João Esgalhado assumiu mesmo que “seria frustrante se a decisão fosse outra”, já que, garante, nos 16 anos que dedicou ao concelho, nunca tirou “qualquer vantagem pessoal do exercício do poder”.