Câmara de Lisboa debate apoio para aquisição de táxis eléctricos

Medida pretende ajudar ao combate à poluição.

A Câmara de Lisboa vai debater nesta quarta-feira a atribuição de 60 mil euros à Federação Portuguesa do Táxi (FPT) e à Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (Antral) para aquisição de veículos eléctricos.

O objectivo deste apoio, de acordo com a proposta a que a Lusa teve acesso, é “incentivar a renovação da frota automóvel utilizada no transporte em táxi” e reduzir a poluição. O documento surge na sequência de um pedido de apoio feito pelas empresas.

A câmara lembra que o Estado português já foi multado por não cumprir as emissões poluentes e, na sequência disso, introduziu Zonas de Emissão Reduzida (ZER) em Lisboa. Esta medida proíbe a circulação a veículos anteriores a 1992 nas áreas delimitadas pela Avenida de Ceuta, Eixo Norte-Sul, Avenida das Forças Armadas, Avenida Estados Unidos da América, Baixa e Avenida da Liberdade. Uma restrição que foi, entretanto, alargada à zona entre a Baixa e a Avenida da Liberdade aos veículos anteriores a 1996.

Durante todo esse processo, que teve início em Julho de 2011, os taxistas em Lisboa continuaram a circular em toda a cidade sem restrições por nunca terem conseguido meios para regularizar a sua situação.Afirmando que a Comissão Europeia pretende “iniciar novo procedimento contra Portugal por reiteração do incumprimento” de emissão de níveis poluentes, a câmara considera que “é necessário o reforço de medidas” para diminuir a poluição. Com esse intuito, o executivo camarário pretende atribuir 30 mil euros à FPT e valor idêntico à Antral.

As empresas deverão depois dividir a verba por 20 associados (dez associados por cada empresa), cabendo a cada um três mil euros e o compromisso de suportar o valor remanescente para a aquisição do veículo.