Ministra das Finanças mostrou “preocupação especial” com Metro do Porto

Ex-secretário de Estado do Tesouro contradiz versão de Maria Luís Albuquerque e diz que falaram sobre swaps a 29 de Junho de 2011.

Costa Pina foi secretário de Estado do Tesouro de Teixeira dos Santos
Foto
Costa Pina frisou que assistiu “com surpresa” ao “enredo criado em torno deste assunto Foto: Nuno Ferreira Santos

A actual ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, teve conhecimento sobre o caso dos swaps quando tomou posse como secretária de Estado do Tesouro, em Junho de 2011, e até mostrou uma “preocupação especial” com a situação da Metro do Porto, garantiu nesta terça-feira no Parlamento o seu antecessor, Carlos Costa Pina.

O ex-secretário de Estado do Governo PS contradisse, perante os deputados da comissão parlamentar de inquérito aos swaps, as declarações feitas por Maria Luís Albuquerque relativamente à informação passada ao actual Governo aquando da transição de pastas, afirmando que estiveram reunidos a 29 de Junho e que “a questão foi suscitada, tendo a senhora secretária de Estado sido informada dos temas que se encontravam pendentes”.

A actual ministra das Finanças, que substituiu Vítor Gaspar no cargo, teve, aliás, “a oportunidade de explicitar a sua preocupação especial com o caso da Metro do Porto” (uma das seis empresas onde foram identificados swaps especulativos), acrescentou Costa Pina.

O ex-secretário de Estado do Tesouro aproveitou ainda para criticar as palavras que têm vindo a ser proferidas por Maria Luís Albuquerque e outros membros do actual executivo. “Tenho sobre esta matéria em particular mantido o silêncio, abstendo-me de comentar as declarações e até as acusações que me foram feitas - designadamente de não ter referido o assunto na reunião de transição. É falso que não o tenha feito. Foi referido. Assim como é falso que uma tal omissão, se porventura tivesse acontecido, pudesse estar na base do atraso em reagir e tomar decisões”, afirmou.

Costa Pina frisou ainda que assistiu “com surpresa” ao “enredo criado em torno deste assunto, começando pelas alusões inaceitáveis a um padrão de comportamento do Governo anterior, passando por um total e inexplicável silêncio sobre as razões da não tomada de decisões ainda em 2011 e terminando com falsas afirmações de que se começou imediatamente a trabalhar, logo no Verão de 2011, e de que o trabalho começou do zero”.

O antigo governante considerou “graves e inaceitáveis tais acusações”, porque “revelam uma atitude que em vez de discutir ideias, valores e projectos, pretende fazer ataques de carácter, difamatórios e atentatórios do bom nome e da honra cujo respeito todas as pessoas merecem”.