Presidente da República fala ao país domingo às 20h30

Cavaco Silva fará a sua análise da situação política, após se terem frustrado as negociações entre PSD, PS e CDS com vista à obtenção de um "compromisso de salvação nacional".

Foto

O Presidente da república faz uma declaração ao país no domingo às 20h30, na qual deverá fazer a sua avaliação sobre as negociações entre PSD, PS e CDS com vista à obtenção de um "compromisso de salvação nacional", assim como o seu desfecho.

Nessa comunicação, é expectável que Cavaco Silva diga qual considera ser a situação política que se deve seguir após o desacordo entre os três partidos. Ou seja, espera-se que o  Presidente da República diga, além da avaliação que faz do processo a que desafiou os três partidos, o que deve seguir-se à falta de acordo.

Na sua última declaração ao país, a 10 de Julho, o Presidente da República explicou detalhadamente os motivos pelos quais considera indesejável avançar já para eleições antecipadas e desafiou os três partidos que subscreveram o memorando da troika para o processo negocial com vista à obtenção do "compromisso de salvação nacional".

No final, reservou dois parágrafos para a possibilidade de os partidos não se entenderem. "Sem a existência desse acordo, encontrar-se-ão naturalmente outras soluções no quadro do nosso sistema jurídico-constitucional", afirmava.

E deixava um aviso: "No entanto, se esse compromisso não for alcançado, os portugueses irão tirar as suas ilações quanto aos agentes políticos que os governam ou que aspiram a ser governo".

Por fim, deixava claro que "o actual Governo se encontra em plenitude das suas funções e que, nos termos da Constituição, existirão sempre soluções para a actual crise política".

Para concluir que "os portugueses devem estar conscientes de que nenhuma dessas soluções dará as mesmas garantias de estabilidade que permitam olhar o futuro com confiança igual à da proposta que acabo de apresentar".

Nessa declaração, Cavaco surpreendeu o país com a proposta que apresentou. Na véspera, Pedro Passos Coelho tinha feito uma outra comunicação, ao lado de Paulo Portas, anunciando que os dois partidos da maioria tinham encontrado uma solução para a crise política dentro da coligação na sequência da demissão do líder do CDS como ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros.

Passos Coelho afirmou então ter apresentado ao Presidente da República uma proposta de remodelação do Governo na qual Paulo Portas passaria a ser vice-primeiro-ministro, ficando com a coordenação das pastas económicas, ligação com a troika e reforma do Estado.