Sporting bate Benfica e defronta Estoril na final da Taça de Honra da AFL

"Leões" estiveram a perder, mas conseguiram dar a volta ao resultado e triunfar, po 2-1. O Estoril bateu o Belenenses, por 3-0.

O médio André Gomes foi um dos titulares na equipa do Benfica
Foto
O médio André Gomes foi um dos titulares na equipa do Benfica Francisco Leong/AFP (arquivo)

Sem as grandes figuras das duas equipas, o Sporting bateu este sábado o Benfica na Taça de Honra da Associação de Futebol de Lisboa (AFL), por 2-1. A equipa de Alvalade esteve a perder, mas conseguiu dar a volta ao resultado e irá este domingo (21h15, RTP1) defrontar o Estoril, que bateu o Belenenses, por 3-0, na final desta competição.

Um Benfica-Sporting é sempre um jogo de emoções fortes, mesmo quando está em causa uma partida de pré-temporada, sem a presença de muitas das figuras de proa das respectivas equipas. Que o digam os adeptos dos dois conjuntos que este sábado protagonizaram alguns incidentes antes do início do encontro, no exterior do Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, onde decorre este fim-de-semana a Taça de Honra da AFL.

O lançamento de um very-light nas imediações do recinto acabou por motivar uma pequena batalha de pedras entre apoiantes do Benfica e Sporting, que terão provocado, pelo menos, dois feridos. O encontro iniciou-se num ambiente mais sereno, com o Benfica a entrar melhor na partida e a inaugurar o marcador, logo aos 6’, por Harramiz.

Com a maioria do plantel principal a realizar um estágio de pré-temporada no Canadá, coube a Abel Ferreira orientar a equipa leonina neste torneio e o técnico passou o teste. Com uma equipa muito jovem, a maioria proveniente da formação B, mas bastante desinibida, o conjunto de Alvalade conseguiu dar a volta ao resultado. Para tal valeram dois golos surgidos na sequência de cantos apontados por João Mário. O primeiro foi desviado para as redes por Nuno Reis, aos 35’, e o segundo por Fokobo, aos 52’. A expulsão de Sílvio, aos 67’, após uma entrada dura sobre Viola facilitou a tarefa aos “leões”, que mantiveram a vantagem até final.

Antes desta partida, no jogo inaugural do torneio, o Estoril bateu categoricamente o Beleleneses, deixando excelentes indicações para a temporada oficial que se avizinha. O triunfo começou a desenhar-se aos 23’, com um golo de Babanco, na cobrança de um livre. A equipa da Linha ampliou a vantagem no segundo tempo, com mais dois golos, ambos apontados por João Pedro Galvão, que entrou para a segunda metade. Este atacante, emprestado ao Estoril pelo Santos do Brasil, estreou-se a marcar aos 52’ e, aos 70’, na sequência de uma jogada envolvente do ataque estorilista, bisou.

O Belenenses procurou reagir e, aos 73’, teve a sua primeira grande ocasião de golo do encontro, mas Rambé permitiu a defesa do guarda-redes Wagner. Até ao final, o resultado não sofreu alterações, apesar da maior pressão dos homens do Restelo, a quem resta este domingo discutir com o Benfica o terceiro lugar da prova (18h30, RTP Informação).

Disputado pela primeira vez em 1914, esta competição da AF Lisboa é a mais antiga realizada em Portugal, mas tem um historial algo errático. Apesar de estar perto de completar o centenário, na realidade foram apenas realizadas 45 edições, incluindo a actual. A última prova disputou-se há 20 anos e foi conquistada pelo Belenenses.

O emblema do Restelo surge no terceiro lugar do ranking de vencedores, com 12 títulos somados. O Sporting é o grande dominador deste histórico, com 29 troféus (nomeadamente o primeiro, há 99 anos), mais dez do que o Benfica. Vitória de Setúbal, com duas taças (a última das quais na edição e 1926, a última que não foi festejada por Sporting, Benfica ou Belenenses), Casa Pia e Império (um dos clubes fundadores da AFL, desaparecido no final dos anos de 1920), cada um com uma, completam a lista.