Souto de Moura: arquitectura-máquina em Viana

Fotogaleria

Viana do Castelo, cidade que a Wallpaper classificou como a “Meca da Arquitectura” em Portugal, vê agora finalmente completado o plano desenhado pelo arquitecto Fernando Távora (1923-2005) para a marginal do Rio Lima. A inauguração do Centro Cultural projectado por Eduardo Souto de Moura vem concluir um ciclo iniciado nos anos 1990, e perfazer o núcleo urbano da Praça da Liberdade em volta de uma escultura monumental de José Rodrigues, e que até agora contava com os dois edifícios gémeos de lazer e serviços desenhados pelo próprio Távora e a biblioteca municipal de Álvaro Siza. O projecto de Souto de Moura distingue-se claramente dos seus vizinhos, em primeiro lugar pela sua transparência, que permite ver o rio mesmo através das paredes de vidro. E também pela cor cinzenta e pela estética construtiva, predominantemente em metal, e que mais parece uma máquina – para fazer cultura e desporto. “Este edifício tem 14 anos de trabalho, que muitas vezes foram um inferno, um processo dramático. Mas olho agora para ele e gosto – sem falsa modéstia”, diz Souto de Moura. SCA

Sugerir correcção