Responsabilidades do Estado com o BPN podem chegar aos 816 milhões

Relatório de consultora mostra que o Estado ainda pode desembolsar muitos milhões de euros relacionados com o banco privatizado

Foto
BPN continua a criar buracos nas contas públicas PÚBLICO

As responsabilidades do Estado derivadas da execução do contrato celebrado com o BIC para a venda do BPN podem chegar até aos 816 milhões de euros. O valor consta de um relatório da Roland Berger pedido pela actual ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque – na altura, secretária de Estado do Tesouro e Finanças e que tinha responsabilidades na condução da privatização do BPN.

A 12 de Novembro de 2011, a consultora alemã enviou um email para o Ministério das Finanças onde revela que a estimativa do montante geral de contingências associadas ao contrato de execução da privatização do BPN oscilava entre 816 milhões de euros e 789 milhões de euros. Estava-se a um mês de ser assumido o primeiro acordo para a venda do BPN que seria formalizado em Março de 2012.

O contacto da Roland Berger surgiu em resposta a um pedido de esclarecimento da própria Maria Luis Albuquerque. Nessa altura, a CGD (que geria o BPN) e as Finanças tinham na sua posse dados que indicavam que em Setembro de 2011 só os litígios judiciais já somavam 311 milhões de euros.

Leia mais na edição impressa do PÚBLICO desta quarta-feira.

Sugerir correcção