Bloco propõe negociação imediata ao PS e ao PCP para discutir governo de esquerda

No mais curto espaço de tempo, os partidos à esquerda devem ser capazes de dar uma resposta ao "pântano político" em que o país está mergulhado há três semanas. PS e BE reúnem esta terça-feira, PCP e BE na sexta.

Foto
Daniel Rocha

O BE propõe tanto ao PS como ao PCP a abertura de um processo negocial para aprovação das bases programáticas de um governo de esquerda. Os bloquistas defenderam nesta terça-feira que as negociações devem começar de imediato e estar concluídas rapidamente. PS já deu luz verde à realização do encontro, às 19h desta terça-feira. PCP e BE reúnem na sexta, mas entre comunistas e socialistas parece ser mais difícil a realização da reunião.

"Para assumir toda a sua responsabilidade por uma solução democrática, o BE propõe tanto ao PS como ao PCP a abertura de um processo de discussão e aprovação das bases programáticas de um governo de esquerda. Propomos que essas conversações se façam sem qualquer condição prévia e no mais curto espaço de tempo", pode ler-se na declaração aprovada pela comissão política do Bloco, que se realizou na segunda-feira à noite.

O coordenador do BE, João Semedo, defende que, neste momento, e face ao pântano político para onde o país foi atirado há três semanas, a esquerda tem o dever de encontrar respostas urgentes para os problemas do país. "Dois anos de governo da troika demonstraram a insanidade das contas públicas arruinadas, de desemprego galopante, de colossais aumentos de impostos e de desrespeito pela vidas das pessoas. Portugal precisa de uma solução que liberte o país da austeridade", defendem os bloquistas.

O BE reitera a sua disponibilidade para começar as reuniões de imediato e assinala "positivamente" que o PCP já tinha pedido uma reunião à direcção bloquista. Esse encontro realiza-se nesta sexta-feira. Já hoje, pelas 19h, PS e BE encontram-se na sede dos socialistas no Largo do Rato. O PS assinala a importância do diálogo interpartidário num momento de emergência nacional.

"A reunião entre representantes das direcções dos dois partidos ocorre num momento de emergência nacional, onde os diálogos interpartidários são essenciais para encontrarmos soluções para os graves problemas que o país atravessa", defendem os socialistas em comunicado.

Semedo defende que "não há desculpas" para não unir esforços para mudar o rumo do país e que é "na esquerda que está toda a responsabilidade de encontrar uma solução para libertar Portugal da troika e da crise".

Apesar do pedido endereçado por Semedo, e que inclui o PS, ontem os comunistas definiram que o PCP vai promover um “conjunto de contactos, reuniões e encontros com personalidades empenhadas na afirmação de um Portugal desenvolvido e soberano”. Mas esta ronda de encontros exclui o PS: “Cabem todos aqueles que estão identificados com os objectivos de demissão da Assembleia da República e convocação de eleições antecipadas”, frisou o dirigente do PCP, Jaime Toga, que acrescentou que estes são objectivos com os quais “o PS não está identificado”.

O PCP vai encontrar-se esta sexta-feira com o BE, “Os Verdes” e a Intervenção Democrática. Na agenda das reuniões está a demissão do Governo e a convocação de eleições antecipadas.