Edgar Lange
Foto
Edgar Lange

Portugueses criam centro comunitário ecológico em Moçambique

Dois jovens arquitectos portugueses constroem centro comunitário ecológico finaciando pela FIFA, em Moçambique

Os arquitectos portugueses Alina Jerónimo e Paulo Carneiro, respectivamente 31 e 32 anos, foram contratados pela ONG Architecture for Humanity (AFH) para construir o centro comunitário e ecológico de Manica, em Moçambique.

Além dos dois arquitectos projectistas portugueses, a equipa era composta por elementos da AFH nos EUA, os directores regionais em África (Kevin Gannon e Alix Ogilvie) e os 30 trabalhadores da comunidade local.

Este espaço, concluído em aproximadamente 21 meses, composto por um edifício de 200 m2 e um campo de jogos de 800 m2, faz parte de um projecto de construcção de 20 centros comunitários (distribuídos por vários países africanos) financiado pela FIFA no âmbito do programa Football for Hope.

PÚBLICO -
Foto
Alina Jerónimo e Paulo Carneiro

O programa apoiará três mil crianças e jovens de Manica afectados por problemas sociais e ambientais, resultantes da incidência de malária, VIH e desflorestação.

PÚBLICO -
Foto
Alina Jerónimo e Paulo Carneiro

Envolvimento da comunidade

O projecto chamou a atenção dos promotores por apresentar uma nova metodologia que "envolve a comunidade no processo constructivo" procurando atingir sustentabilidade ambiental, económica e ambiental, disse Alina Jerónimo ao P3.

Depois de dada formação técnica à comunidade local, criaram uma linha de produção de tijolos de barro comprimido (utilizados na construção dos edifícios) que permitiu criar postos de trabalho e preservar os recursos naturais evitando a desflorestação provocada pela produção de blocos cozidos (processo tradicional local).

Os edifícios foram construídos aproveitando os recursos naturais da zona: com tectos falsos, candeeiros e sombreamento feitos de bambu por quatro artesãos locais e paredes de terra crua facilitando a ventilação e dessa forma evitar a instalação de ar condicionado.

Foi também construída uma rede de saneamento com uma pequena ETAR garantindo condições de higiene que contribuam para minimizar os problemas de saúde existentes na região.

Paulo e Alina afirmam que os quase dois anos de construcção do projecto — e a estreita colaboração com a comunidade local e a sua cultura — proporcionaram uma experiência profissional e pessoal enriquecedora, mas que tornaram emocionalmente muito difícil o momento da partida.

Sugerir correcção