Simulador indica valor das rendas de inquilinos com carência económica

Ferramenta está disponível na página do IHRU.

Foto
Assocção de empresas de mediação defende importância do programa de vistos gold para o sector. PÚBLICO/Arquivo

A autoridade tributária iniciou nesta segunda-feira a emissão do comprovativo do rendimento anual bruto corrigido (RABC) que permite aos senhorios concluir o processo de negociação do valor da renda.

A ferramenta permite simular o valor da renda a aplicar e os montantes retroactivos relativos ao tempo de espera da emissão do comprovativo do RABC e mapa de pagamentos.

O pedido de RABC suspende o processo de actualização do valor de rendas e, quando é provado, fixa tectos máximos para essas actualizações.

Os tectos podem ser de 10% para rendimentos das famílias até 500 euros mensais, de 17% para agregados com rendimentos até 1.500 euros e de 25% até 2.829 euros.

Segundo o primeiro relatório da comissão de monitorização da reforma do arrendamento urbano, mais de 27 mil inquilinos pediram, nos últimos seis meses, comprovativo de carência económica para limitar a actualização dos valores de rendas.

O distrito de Lisboa estava no topo da lista dos registos de pedidos de RABC, contabilizando 15.430, seguindo-se Porto (4.275) e Setúbal (3.016). Com menos pedidos estava a Região Autónoma dos Açores (7), Bragança (12), Beja e Guarda (33).

Como ponto menos positivo notado por esta comissão esteve o “atraso” e a “inoperância” dos sistemas informáticos para emissão dos comprovativos do RABC e nos procedimentos do Balcão Nacional de Arrendamento.

Estes constrangimentos levaram a comissão a concluir que ficava impedida, “nesta primeira fase, a execução global da reforma tal como legislativamente pensada”.

A 26 de Junho, a Comissão Europeia, no âmbito de uma avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira, admitia que a actualização das rendas, prevista na reforma do arrendamento, podia ser “mais lenta do que o esperado” devido a atrasos na informação dos rendimentos dos inquilinos.