Sepultura de mulher com 8000 anos descoberta em Alcácer do Sal

Esqueleto estava num monte de conchas perto do rio Sado, deixadas lá pelos últimos caçadores-recolectores em território português. Não muito longe, tinha-se já encontrado um cão com 7600 anos.

A mulher na sua sepultura no concheiro de Poças de São Bento
Fotogaleria
Escavação da mulher na sua sepultura no concheiro de Poças de São Bento, perto do Sado DR
O esqueleto do cão, com 7600 anos, encontrado em 2011
Fotogaleria
O esqueleto do cão, com 7600 anos, encontrado em 2011 Jose Paulo Ruas

Colocaram-na cuidadosamente de costas, com os braços sobre a barriga e as pernas bastante flectidas, e assim ficou em repouso durante cerca de 8000 anos. Agora, a equipa que trabalha no sítio arqueológico de Poças de São Bento, em Alcácer do Sal, começou por se deparar com um pedaço do crânio que ficou à mostra durante as escavações. Era um fragmento do esqueleto de uma mulher que pertenceu aos últimos caçadores-recolectores em território português.

Anunciada esta quinta-feira, a descoberta é da equipa de Mariana Diniz, da Universidade de Lisboa, e Pablo Arias, da Universidade da Cantábria (Espanha), coordenadores do projecto Sado-Meso, que se centra nos concheiros do estuário do Sado.

O concheiro de Poças de São Bento é um desses amontoados de conchas deixados pelos últimos caçadores-recolectores, no Mesolítico, quando as sociedades agropastoris estavam já a emergir no território agora português. E as conchas eram restos da alimentação que os caçadores-recolectores retiravam do Sado, como berbigão, amêijoas, douradas e robalos.  

No concheiro de Poças de São Bento já se encontraram outros esqueletos humanos, noutras escavações, por exemplo na década de 1950. Qual é então a importância agora desta mulher? “É [o esqueleto] mais bem preservado em Poças de São Bento. Podemos observar sua posição. Há um ritual de deposição do corpo com alguma elaboração”, responde Mariana Diniz. “Espólio e oferendas, não há nada. Estes caçadores aparentemente não se faziam acompanhar [por esses objectos]”, acrescenta a arqueóloga. “A partir deste esqueleto vamos poder fazer uma série de análises laboratoriais, como análises de ADN e datações, porque temos a amostra controlada”, refere ainda Mariana Diniz, explicando que os achados arqueológicos antigos do local têm o problema de não se saber exactamente de onde vêm.

“Esta descoberta permitirá obter informação detalhada acerca do comportamento funerário destes grupos, das suas actividades rituais”, adianta por sua vez um comunicado da Universidade de Lisboa.

Este mesmo concheiro já tinha dado uma prenda aos investigadores do projecto Sado-Meso em 2011: encontraram o esqueleto de um cão, o Piloto, que datações por radiocarbono, realizadas na Universidade de Oxford, Reino Unido, confirmaram que tinha 7600 anos. Claramente documentada numa escavação, é a sepultura de um cão mais antiga do Sul da Europa. Este cão mesolítico, sublinhou na altura a equipa, é importante para compreender o universo mental destes grupos de caçadores-recolectores.

Mulher e cão partilharam assim o mesmo concheiro na hora da morte. “Mas não podemos dizer que é ela era a dona do cão”, diz a arqueóloga, trazendo-nos de volta à realidade mais objectiva da ciência. “Estão no mesmo concheiro, mas aparentemente, pelos dados que temos agora, a zona da necrópole humana e o cão estão separados 10 a 15 metros. Temos a necrópole humana mais a nascente e o cão está no limite poente do concheiro.”

Embora ainda sem datações, o esqueleto da mulher parece ser um pouco mais antigo que o do cão, uma vez que ela encontra nas areias de base do concheiro. “Em pré-história, um pouco mais antigo pode ser 300 ou 400 anos...”