Se PR reconduzir Governo "sem conserto" vai continuar "a governar mal", diz Jerónimo

Jerónimo ensiste na saída do Governo
Foto
Jerónimo ensiste na saída do Governo

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, alertou nesta segunda-feira que, se o Presidente da República reconduzir este Governo “sem conserto”, o executivo vai continuar a “governar mal”, porque “há muito deveria ter sido demitido”.

“O Presidente da República (PR) assume, nas atuais circunstâncias, a inteira responsabilidade de todas as consequências que resultem do prolongamento deste rumo de desastre nacional”, avisou.

Segundo Jerónimo de Sousa, se o PR, Cavaco Silva, vier a “reconduzir e restaurar este Governo sem conserto”, então o executivo de coligação PSD/CDS-PP vai continuar a “governar mal, contra os trabalhadores e contra o povo”.

Mas, se tomar essa decisão, enfatizou o líder comunista, Cavaco Silva não pode também “limitar-se a dizer que é PR”, pois “passa a ser um cúmplice dessas consequências” que “o povo vai sofrer, caso este Governo continue”.

O secretário-geral do PCP discursava ao final da tarde de hoje em Vendas Novas (Évora), durante a cerimónia de apresentação dos candidatos da CDU ao concelho nas autárquicas de 29 de Setembro, cuja lista à câmara é encabeçada pelo actual presidente, José Figueira.

Durante a intervenção, além de apelar a um reforço da votação na CDU nas próximas autárquicas, Jerónimo de Sousa abordou a actual crise governativa, sobre a qual se aguarda uma decisão do PR.

Para o líder comunista, “não há nenhuma outra saída digna e democrática” para esta situação “que não seja a da imediata dissolução da Assembleia da República” e da convocação de eleições antecipadas.

Este Governo “há muito que deveria ter sido demitido, há muito que o país poderia ter sido poupado ao caminho da ruina e da degradação económica, social e política a que se assiste”, disse.

A propósito das demissões do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, agora substituído no cargo por Maria Luís Albuquerque, e do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, o secretário-geral do PCP considerou-as um exemplo de que o Governo está “em cacos”.

“Por mais cambalhotas que dêem, são a confirmação e o reconhecimento do desastre a que foi conduzido o país e representam o esboroamento de um Governo e de uma maioria ilegítimos, agindo à margem da lei e contra a Constituição”, criticou.

A maioria PSD/CDS-PP, frisou, “agravou todos os problemas do país, da dívida ao défice, das desigualdades à pobreza”.Trata-se de um Governo que “não tem solução” para Portugal e que, “quanto mais tempo de governação tiver, mais fundo ‘cava’ a desgraça do país”, acusou ainda o líder do PCP.

Na sequência das demissões no executivo, PSD e CDS-PP declararam ter resolvido a crise política, através de um "entendimento" apresentado pelo primeiro-ministro ao Chefe de Estado na passada sexta-feira, aguardando-se agora que o PR se pronuncie.