Passos Coelho faz declaração às 19h30

A declaração deverá ser conjunta, mas só o líder do PSD deverá tomar a palavra após reuniões dos partidos. Portas deverá ficar no Governo, com posição reforçada.

Foto
Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, no dia em que assinaram o acordo de coligação José Manuel Ribeiro/Reuters

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, faz uma declaração às 19h30, depois de uma hora de reunião entre as direcções dos dois partidos. Inicialmente estava previsto haver uma declaração conjunta dos dois líderes dos partidos da maioria, mas na sequência da reunião, o segundo microfone foi retirado da mesa.

Na sala do hotel de Lisboa onde os jornalistas aguardam a presença de Passos Coelho e Paulo Portas, estavam inicialmente montados dois microfones, mas agora está só um. E foi confirmado pelas assessorias que apenas o primeiro-ministro usará da palavra.

O encontro entre as direcções dos dois partidos serve para selar o entendimento entre os dois líderes quanto a uma solução para o Governo de coligação. Nele participam, pelo lado do PSD, Jorge moreira da Silva, Luís Montenegro, Marco António Costa, Teresa Leal Coelho e Pedro Pinto. E pelo CDS-PP, Nuno Magalhães, Nuno Melo, Assunção Cristas, Teresa Caeiro e João Almeida.

O líder dos centristas deverá manter-se no Executivo, com uma posição mais reforçada, depois de ter pedido a demissão esta semana, com carácter "irrevogável". Nos últimos dois dias, representantes dos dois partidos renegociaram o acordo de coligação que sustenta o Governo.

Embora o acordo entre os dois partidos tenha aspectos por fechar, várias fontes referiram ao PÚBLICO ideias comuns sobre o novo figurino governamental: a grande probabilidade de Portas ficar como vice-primeiro-ministro e o convite feita a António Pires de Lima para ficar com a pasta da Economia. Jorge Moreira da Silva, o primeiro vice-presidente do PSD, também terá sido convidado para integrar o governo.

O primeiro-ministro levou na sexta-feira, ao final da tarde, ao Presidente da República uma solução para a crise política, mas um compromisso de silêncio sobre os termos da proposta não permitiu ainda confirmação oficial do teor do acordo. 

Cavaco Silva determinou que precisaria de tempo de reflexão e marcou as audiências que faltava agendar para terça-feira, precisamente com os partidos da maioria e o PS. Antes disso não deverá dizer nada sobre a crise política, mantendo a situação de incerteza em "banho-maria".

Na sexta-feira, após o fim do encontro do primeiro-ministro com Cavaco Silva, os mais altos dirigentes do PSD e do CDS, Jorge Moreira da Silva e Nuno Melo respectivamente, sublinharam que a proposta entregue ao Presidente da República assegura a coesão e a estabilidade governativa.

Paulo Portas disse na sexta-feira à noite ao conselho nacional do CDS que o acordo alcançado com o PSD "é bom para Portugal e para a coligação". Mas nada revelou sobre o seu conteúdo, dizendo que está nas mãos do Presidente da República.


 

Sugerir correcção