D. Manuel Clemente recebeu pálio e jura obediência ao Papa

Cerimónia de colocação de insígnias teve inicio às 8h30 deste sábado.

Fotogaleria
Manuel Clemente recebeu das mãos de Francisco as insígnias AFP
Fotogaleria
Cerimónia animada pelo coro luterano da Thomaskirche de Leipzig, Alemanha AFP

O novo patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, recebeu o pálio, uma insígnia de honra litúrgica, durante uma cerimónia religiosa presidida pelo Papa Francisco, na manhã deste sábado, no Vaticano, e jurou obediência.

A cerimónia de colocação do pálio a 34 arcebispos, na qual Manuel Clemente foi o primeiro a receber a insígnia, teve inicio às 8h30 de Portugal Continental, menos uma hora do que no Vaticano.

O pálio é uma insígnia de honra litúrgica referente a uma jurisdição da Igreja Católica, de lã cor branca com seis cruzes pretas, que os arcebispos metropolitas colocam à volta do pescoço. Esta corresponde à missão metropolitana de cada província eclesiástica, que é constituída por diversas dioceses.

No caso português, existem três províncias eclesiásticas: Lisboa, Évora e Braga. Manuel Clemente, 64 anos, recebeu a insígnia referente a Lisboa, onde vai assumir as funções de patriarca, sucedendo a José Policarpo, 77 anos, e devendo tomar posse no próximo dia 6, na Sé de Lisboa.

O evento, no dia em que a Igreja Católica celebra a solenidade de São Pedro e São Paulo, decorreu junto ao altar da confissão do apóstolo Pedro, na Basílica de São Pedro. Manuel Clemente foi o primeiro a receber a insígnia e fez o juramento, em latim, em nome de todos. Do grupo de arcebispos constam ainda o da Beira, em Moçambique, Claudio Dalla Zuanna; e os brasileiros Antônio Carlos Altieri, de Passo Fundo, Moacir Silva, de Ribeirão Preto, e Sérgio Eduardo Castriani, de Manaus.

Papa sublinha comunhão e colegialidade

Durante a homília, o Papa Francisco defendeu uma maior colegialidade na vida da Igreja Católica, que valorize a “unidade nas diferenças”, e sublinhou a importância da “comunhão”.

“Na Igreja, a variedade, que é uma grande riqueza, funde-se sempre na harmonia da unidade, como um grande mosaico onde todos os ladrilhos concorrem para formar o único grande desenho de Deus”, disse, citado pela agência Ecclesia.

Segundo Francisco, essa insígnia litúrgica de honra e jurisdição é “símbolo de comunhão” com o Papa, sublinhando que a presença de arcebispos de vários continentes “é o sinal de que a comunhão da Igreja não significa uniformidade”. “Unidos nas diferenças, não há outro caminho católico para unir-se”, reforçou Francisco.

O Papa voltou a falar do pálio, que além de ser “sinal da comunhão com o bispo de Roma, com a Igreja universal, com o Sínodo dos bispos”, é também “um compromisso” que deve levar cada um dos que o recebem a ser “instrumento de comunhão”.

“Confessar o Senhor deixando-se instruir por Deus, consumar-se por amor de Cristo e do seu Evangelho, ser servidores da unidade: estas são as incumbências que os apóstolos São Pedro e São Paulo confiam a cada um de nós, amados irmãos no episcopado, para serem vividas por cada cristão”, disse o Papa, no final da sua homilia, dirigindo-se aos arcebispos.

Francisco deixou ainda uma saudação à delegação do Patriarcado de Constantinopla (Igreja Ortodoxa), e ao ‘homanerchor, o coro luterano da Thomaskirche de Leipzig – a igreja de Bach – que animou a Liturgia.