“Para graffiti como os do muro de Campolide daremos autorização. Quero que continuem lá”, disse Sá Fernandes
Foto
“Para graffiti como os do muro de Campolide daremos autorização. Quero que continuem lá”, disse Sá Fernandes

Em Lisboa, "grafitti" não é "tag"

Vereador Sá Fernandes afirma que a autarquia distingue "arte urbana" de tags, meras assinaturas. "Grafitti" como os do "muro de Campolide" serão aprovados pela Câmara de Lisboa

O vereador do Ambiente Urbano da Câmara de Lisboa, José Sá Fernandes, assegurou nesta segunda-feira que os graffiti como os do ‘muro de Campolide’ vão ter autorização da autarquia, caso o Parlamento avance com a obrigatoriedade de licenciamento para a realização destas inscrições.

O Governo aprovou na semana passada uma proposta de lei para punir com coimas entre 100 e 25 mil euros os “grafitos, afixações, picotagem e outras formas de alteração, ainda que temporária”, do património em espaço público, fazendo com que dependam de licenciamento dos municípios.

Sobre esta hipótese, José Sá Fernandes recordou que a autarquia faz uma diferenciação entre graffiti, que considera arte urbana, e os chamados tags, simples assinaturas.

“Para graffiti como os do muro de Campolide daremos autorização. Quero que continuem lá”, disse o autarca.

Perto das Amoreiras, existe um muro conhecido pelos seus vários murais de contestação política, como as “Marionetas de Merkel” e “Lei do Mais Forte”, elaborados por artistas urbanos.

No caso dos tags e assinaturas, o vereador do Ambiente Urbano defendeu que aposta numa “limpeza diária” — como vai acontecer a partir de Agosto em vários bairros de Lisboa, num programa de limpeza de um milhão de euros — e em pedagogia.