Os 18 bens classificados além da Universidade de Coimbra

As Villas dos Médici, o parque Wilhelmshöh, a cidade antiga de Quersoneso juntaram-se à lista no domingo. Veja aqui todas as imagens.

Fotogaleria
As Villas e jardins dos Médici, em Florença, representação de arte e poder na toscana entre séculos XV e XVIII Adriano Bartolozzi
O Palácio de Golestan, em Teerão, constituído por 17 edifícios e "centro da arte e arquitectura" da família Qajari
Fotogaleria
O Palácio de Golestan, em Teerão, constituído por 17 edifícios e "centro da arte e arquitectura" da família Qajari DR
Fotogaleria
O Palácio de Golestan
Fotogaleria
O monte Fuji, no Japão
O parque Wilhelmshöle é considerado uma obra-prima barroca e começou a ser construído em 1696
Fotogaleria
O parque Wilhelmshöle é considerado uma obra-prima barroca e começou a ser construído em 1696 Nik Barlo jr.
Fotogaleria
O teatro de água do parque Wilhelmshöle
A história e cultura da dinastia Koryo, responsável pela unificação da Coreia, estão representadas nas estruturas dos monumentos de Kaesong
Fotogaleria
A história e cultura da dinastia Koryo, responsável pela unificação da Coreia, estão representadas nas estruturas dos monumentos de Kaesong DR
Fotogaleria
A cidade medieaval de Kaesong, na Corea
A cidade antiga de Quersoneso, na Crimeia, foi fundada em 5 a.C. como colónia grega e, dois séculos depois, tornou-se a maior produtora de vinho no Mar Negro
Fotogaleria
A cidade antiga de Quersoneso, na Crimeia, foi fundada em 5 a.C. como colónia grega e, dois séculos depois, tornou-se a maior produtora de vinho no Mar Negro DR
Fotogaleria
A Mesquita Antiga no centro histórico de Agadez, no Níger
Fotogaleria
O centro histórico de Agadez
Fotogaleria
O centro histórico de Agadez
Fotogaleria
As tserkas, igrejas de madeira construídas entre o século XVI e XIX nos Cárpatos (Polónia e Ucrânia)
Fotogaleria
A paisagem cultural dos socalcos de arroz de Honghe Hani, na China
Fotogaleria
A paisagem cultural de Honghe Hani, na China
Fotogaleria
A cidade portuária de Levuka, nas ilhas Fiji
Fotogaleria
O centro de caça à baleia de Red Bay, no Canadá
Fotogaleria
Sítio arqueológico Al Zubarah, no Qatar
Fotogaleria
Um dos fortes do Rajastão na Índia, que foram classificados
Fotogaleria
O monte Etna, na Sicília, é uma das paisagens naturais classificadas
Fotogaleria
O monte Etna coberto de neve
Fotogaleria
O vulcão Pinacate, no México
Fotogaleria
As cadeias montanhosas de Xinjiang Tianshan, na China
Fotogaleria
Montanhas Pamir, no Parque Nacional do Tajiquistão
Fotogaleria
O deserto de areia da Namíbia
Fotogaleria
O deserto de areia da Namíbia

É o caso das villas e jardins dos Médici, em Florença, na Toscana italiana, ou das ruínas da colónia grega de Quersoneso, fundada no século V a.C., hoje na Ucrânia. Ou dos monumentos de Kaesong, símbolo da história e cultura de quatro séculos da dinastia Koryo (do X ao XIVº), responsável pela unificação da Coreia – assistiremos a um “boom” turístico num dos mais fechados países do mundo, a Coreia do Norte?

Os Médici foram uma das mais influentes famílias italianas, uma dinastia que dominou a vida florentina e toscana entre os séculos XV e XVIII. Acima da influência política, o seu legado mais perene encontra-se na arte e arquitectura que patrocinaram (foram mecenas, por exemplo, de Miguel Ângelo ou de Leonardo da Vinci), determinante para que a Florença histórica seja património mundial da UNESCO desde 1982. As suas villas renascentistas erguem-se nos arredores da cidade e são testemunho de um imenso poder representado com elevadas e evidentes preocupações estéticas. Mais a norte no mapa europeu, em Kassel, Alemanha, descobrimos o Bergpark [parque de montanha] Wilhelmshöh, obra-prima barroca pela integração da arquitectura na paisagem que começou a ser construída em 1696 e que sofreu uma última grande intervenção em 1826.

Avançando no mapa-mundo para Este, paramos na Ucrânia, cuja cidade antiga do Quersoneso, bem como a sua “chora” (o espaço rural circundante, dividido em centenas de parcelas da mesma dimensão), foi domingo classificada pelo Comité do Património Mundial. No século III a.C. a cidade era a maior produtora de vinho do Mar Negro e um centro de trocas comerciais entre os impérios grego, romano e bizantino. “É um exemplo notável de organização democrática da terra associada a uma antiga polis”, escreveu o Comité. Sobre Kaesong, a cidade norte-coreana fundada no século X, lemos que “os seus palácios, instituições e complexo funerário, muralhas defensivas e portões representam os valores políticos, culturais, filosóficos e espirituais de uma era crucial na história da região”.

A lista de património classificado este domingo completa-se com o palácio Golestan, em Teerão. É formado por 17 edifícios e foi maioritariamente construído durante o período em que o país foi dirigido pela família Qajar, que atingiu o poder em 1779. “Tornou-se um centro das artes e arquitectura Qajari, de que é um exemplo excepcional, e manteve-se até hoje fonte de inspiração para artistas e arquitectos”, destacou o Comité do Património Mundial.

O monte Fuji

Nos dias anteriores, a UNESCO tinha classficado desde o Monte Etna, na Sicília, e do Monte Fuji, no Japão, aos fortes do Rajastão, na Índia. Dos vulcões de Pinacate e Grande deserto de Altar, no México, às tserkas, igrejas de madeira construídas entre os séculos XVI e XIX, nos Cárpatos, além da Universidade de Coimbra.

O Monte Fuji será um dos mais célebres e icónicos entre os novos locais classificados. A classificação é atribuída a “Fujisan, local sagrado e fonte de inspiração artística”. Fuji não está sozinho. Há outro monte célebre, outro vulcão activo nas listas da UNESCO. O Etna, que ao contrário de Fuji, de baixa actividade, é ainda um poço de energia vulcânica, viu também os seus 19 mil hectares e o ecossistema que acolhe transformados em Património da Humanidade.
Entre o novo património classificado, existe o de criação humana, o natural, ou aquele que sugere uma perfeita simbiose entre os dois, como é o caso dos socalcos de Honghe Hani, na China. Ali, ao longo de 1300 anos, o povo Hani criou “um complexo sistema de canais para trazer água dos topos de montanha arborizados até aos socalcos” e um sistema agrícola que integra a produção de arroz com a criação de gado, patos, peixe ou enguias, demonstrando, escreve o comité da UNESCO, “uma extraordinária harmonia entre as pessoas e o seu ambiente”.

Ainda na China, foi também classificado a área de Xinjiang Tianshan, onde cadeias montanhosas geladas e florestas verdejantes se confrontam com a vastidão do deserto de Taklimakan. O local classificado é um “exemplo excepcional dos processo evolutivos biológicos e ecológicos em curso”. Excepcional será também o Mar de Areia de Namib na Namíbia, deserto costeiro que, caso único no mundo, se cobre de nevoeiro – foi o primeiro espaço natural namibiano classificado pela UNESCO. Já o México viu o Pinacate (terceiro vulcão nas listas do Comité) e o deserto de Altar instalado a oeste da sua localização passarem de Reserva Biosfera da organização a Património Mundial.

10 séculos de fortes no Rajastão

Foram classificadas ainda as montanhas Pamir, no Parque Nacional do Tajiquistão (“um ponto de encontro entre as mais altas cadeias montanhosas do continente Eurasiático”), o centro de caça à baleia de Red Bay, no Canadá, fundado no século XVI por marinheiros do País Basco e hoje uma rica zona arqueológica, bem como a cidade portuária de Levuka, nas Ilhas Fiji ou o centro histórico de Agadez, porta para o deserto do Saara, no Níger, e que, nos séculos XV e XVI, era um importante ponto de encontro na rota das caravanas de mercadores – do outro lado do continente africano, no Qatar, na península arábica, foi classificada outra antiga cidade florescente através do comércio, Al Zubarah, povoação costeira abandonada no início do século XX, hoje o sítio arqueológico.

A lista dos locais erguidos a património mundial completava-se com os fortes do Rajastão, na Índia, construídos e desenvolvidos por vários principados ao longo de dez séculos, entre o VIII e o XVIII, e 16 tserkas, igrejas de madeira da região dos Cárpatos, erguidas entre a Polónia e Ucrânica por comunidades ortodoxas orientais e greco-cristãs.