Milhares na Praça Taksim para lembrar os que morreram durante os protestos

Milhares de pessoas regressaram à Praça Taksim com flores para homenagear os que morreram. Polícia dispersou manifestantes com canhões de água.

Fotogaleria
Os cravos que os manifestantes levaram para homenagear as vítimas acabaram por ser atiradas contra os polícias REUTERS/Marko Djurica
Fotogaleria
REUTERS/Marko Djurica
Fotogaleria
REUTERS/Marko Djurica
Fotogaleria
REUTERS/Marko Djurica
Fotogaleria
REUTERS/Marko Djurica

De acordo com a Associação Médica Turca, os protestos fizeram até agora quatro mortes, entre eles um polícia, e cerca de 7,500 pessoas ficaram feridas, a maior parte com cortes, queimaduras e com dificuldades de respiração após terem inalado gás pimenta.

Erdem Saatci foi um dos muitos manifestantes que marcou presença este sábado na Praça Taksim: "Hoje a nossa mensagem para o governo é de que a nossa resistência vai continuar", afirmou à Reuters. Manifestantes e polícia acabaram por se envolver em confrontos depois de os agentes terem utilizado canhões de água para dispersar a multidão. Cerca de 10 mil pessoas ocuparam a Praça para lembrar os que morreram durante os protestos, erguendo no ar cravos vermelhos para homenagear as vítimas. Os manifestantes vaiaram o primeiro-ministro turco pedindo a sua demissão e cantando: "Este é apenas o começo, continuar a luta".

Ao início da tarde, o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, dirigia-se a cerca de 15 mil apoiantes na cidade turca de Samsun, afirmando que os sucessivos protestos e manifestações violentas servem os inimigos da Turquia. "Quem ganhou com estas três semanas de protesto? Os inimigos da Turquia", disse. "Quem perdeu com os protestos? A economia turca, mesmo que a um nível diminuto, o turismo perdeu. Mancharam a imagem da Turquia", defendeu o primeiro-ministro.Este é já o quarto grande comício que o primeiro-ministro organiza desde que os protestos começaram no início de Junho.