Relatórios técnicos identificam objectivos por cumprir

Foto
A Sala dos Capelos da universidade dr

Os últimos relatórios técnicos feitos pelo Icomos - a organização internacional de Monumentos e Sítios que funciona como um órgão consultivo da UNESCO - são inequívocos no reconhecimento do valor "excepcional" do bem que é proposto a Património Mundial em Coimbra, mas identificam algumas medidas que devem ser concluídas antes de a classificação ser atribuída.

O facto de o Plano Director Municipal de Coimbra (PDM), que prevê medidas preventivas e protectoras de toda a área da candidatura, só ser aprovado em Setembro e a circunstância de alguns monumentos e edifícios que constam da candidatura ainda não estarem classificados como Monumentos Nacionais são duas das razões que poderão impedir, já este ano, a inscrição da UC na lista de Património Mundial da UNESCO.

Após a resposta formal da universidade ao relatório do Icomos, o reitor da UC, João Gabriel Silva, diz estar optimista em relação à decisão final do Comité para o Património Mundial da UNESCO.

"As questões estão respondidas em mais de 90% O que resta não me parece suficiente para impedir a classificação já este ano", afirma.

"Na que toca à aprovação do PDM, é apenas uma formalidade que acontecerá em Setembro e, em relação à classificação de alguns edifícios como Monumentos Nacionais, fizemos ver à UNESCO que decorre da lei portuguesa que, se estes espaços forem classificados como Património da Mundial passam a imediatamente a estar protegidos pelo nível máximo de protecção que é conferido pelo estatuto de Monumento Nacional", resume o reitor da UC.

Por esta razão também, aos elementos da Reitoria da universidade que integram a comitiva da candidatura no Camboja juntar-se-á o presidente da autarquia de Coimbra, João Paulo Barbosa de Melo, que procurará convencer os elementos do comité do total comprometimento da autarquia na aprovação e concretização do PDM naquela zona.