Seguro foi à Sicasal ver salsichas e chouriços para mostrar a capacidade dos empresários

Líder do PS iniciou jornadas parlamentares, que decorrem até amanhã, com visita a fábrica recuperada de grande incêndio.

Foto
António José Seguro diz que "não se cria emprego com discursos" Rui Farinha

“O emprego é, para nós, uma prioridade. Por isso é um gosto visitar empresas com este empreendedorismo, esta vontade e esta capacidade laboral”, afirmou Seguro, no final da visita de cerca de uma hora, em que percorreu a zona do processamento da carne para enchidos daquela fábrica.

A 15 de Novembro de 2011, a empresa sofreu um grande incêndio que reduziu a escombros boa parte da cadeia de produção. No mesmo dia, a maior parte dos 650 trabalhadores começou a limpar o espaço e, uma semana depois, a fábrica retomava a produção, ainda que com condições precárias. Mas essa estratégia permitiu minimizar consequências: não se reduziram postos de trabalho e manteve-se a facturação da empresa.

Apesar da dimensão, a empresa é gerida de forma familiar, e para os noticiários transpareceu uma proximidade, dedicação e consideração entre trabalhadores e patrão que já não é muito comum no tecido empresarial actual.

“A Sicasal é uma marca portuguesa, de confiança, que passou por dificuldades por causa de um incêndio. Mas hoje está em plena recuperação, fruto da capacidade dos empresários e dos trabalhadores. Trabalha para o mercado nacional e para o internacional; cria riqueza e valor” , elogiou Seguro, já à porta, acrescentando que a empresa “tem uma acção de responsabilidade social muito importante”.

Numa altura de crise, com o alto desemprego e com empresas a abrir falência, o líder socialista diz ser também sua “responsabilidade visitar empresas em franco progresso e recuperação, que criam riqueza e preservam postos de trabalho”.

António José Seguro aproveitou para deixar críticas ao Governo quando os jornalistas lhe perguntaram sobre o que tem falhado nos últimos anos para que não haja mais empresas a seguir o percurso de sucesso da Sicasal. “Tem a ver com a política deste Governo. As políticas de austeridade não ajudam nem ao crescimento nem à criação de emprego.” Realçou que, em dois anos – faz esta sexta-feira, 21, dois anos que o actual executivo tomou posse –, o país “perdeu 450 mil postos de trabalho”, mas do que precisa é equilibrar as contas públicas através do crescimento económico, que teima em fugir.

Deixou depois um raciocínio simples: quando as empresas progridem, “reduz-se o défice, porque há lucros, que geram mais impostos, e há contribuições para a Segurança Social”; pelo contrário, quando uma empresa fecha, “há menos contribuições e menos receita de impostos para o Estado e mais despesa com pagamento de subsídio de desemprego”.

Entre salsichas e chouriços, sem saber os segredos
A Sicasal tem uma produção de cerca de 750 toneladas de carne por semana (450 toneladas de carne processada, 300 de carne fresca) e 40% da produção segue para exportação. A maior fatia é para o mercado angolano, mas a empresa está também em Moçambique, Cabo Verde, São Tomé, Luxemburgo, França, Suíça, Inglaterra, Rússia e Canadá – sobretudo junto de comunidades portuguesas.

Na fábrica, acompanhado por um grupo de deputados e alguns candidatos socialistas a autarquias da zona, António José Seguro visitou apenas uma parte da cadeia de produção, a dos enchidos e fiambre.

Começou pela zona de preparação das carnes para o fiambre, atravessou todo o processo de fabrico de salsichas e enchidos de fumeiro, como o chouriço, a farinheira ou o salpicão. Passeou pelo meio de gigantescas caixas de metal a abarrotar de carne triturada e já em pasta para as salsichas. Espreitou os fornos de cozedura das salsichas tipo Frankfurt, as pequenas que se vendem em lata, e daqui saem 200 mil latas por dia, e depois os dos chouriços, trocou impressões com as trabalhadoras que estavam a encher os chouriços de carne.

À porta da enorme sala de secagem dos enchidos – que substitui a acção do tradicional fumeiro à lareira –, Seguro trocou impressões sobre “gostos e sabores”, mas disse logo não querer saber “os segredos”; falou dos “mercados, que estão mais exigentes”, e da necessidade e da vantagem de os portugueses e cada empresa “fazerem a diferença”.

Os trabalhos das jornadas parlamentares seguem à tarde em Oeiras, com conferências dedicadas ao emprego e crescimento económico – com o economista António Perez Metelo e o investigador da Universidade do Minho Manuel Caldeira Cabral como oradores – e ao impacto social das políticas de austeridade – com as intervenções do padre Lino Maia, da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, e o endocrinologista Rui Duarte, da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal.