Messi vai a tribunal acusado de fraude fiscal

A justiça espanhola considerou que havia indícios suficientes para que o jogador e o seu pai fossem ouvidos por um juiz.

Foto
Messi joga actualmente pelo Barcelona Josep Lago/AFP

O Tribunal de Gavà acolheu a argumentação da inspecção fiscal espanhola, segundo a qual o pai de Messi será o responsável por um elaborado sistema de fuga ao fisco que terá permitido evitar o pagamento de impostos sobre os rendimentos dos direitos de imagem de Messi em três exercícios: 2007, 2008 e 2009. O esquema consistia em simular a cedência dos direitos de imagem a "sociedades puramente instrumentais radicadas em paraísos fiscais", como Belize e Uruguai.

Tudo isto, ainda segundo a acusação, foi equacionado pelo pai de Messi em 2005, quando o avançado ainda era menor, mas existiam já fundadas expectativas sobre o seu valor futebolístico e os montantes financeiros que obteria fruto da sua actividade. Jorge Horácio terá, então, pedido a uma terceira pessoa que organizasse um esquema que permitisse escapar ao fisco espanhol. Ao atingir os 18 anos, Messi terá “ratificado” o esquema e “consentido” que ele se perpetuasse, segundo a acusação citada pela imprensa espanhola.

Através da sua página no Facebook, Messi mostrou-se surpreendido com a acusação, insistindo que não cometeu nenhuma irregularidade.

A lei espanhola prevê uma pena de prisão entre dois e seis anos e uma multa entre o dobro e o sêxtuplo do montante evadido nos casos em que essa quantia exceda os 600 mil euros.

Notícia corrigida às 15h12: Corrigiu-se o valor da fraude fiscal para 4,1 milhões de euros.